Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que o STF é tão desorganizado?

Ao não julgarem o mérito do habeas corpus de Lula, os ministros do STF descumpriram o Regimento Interno

Ontem o Supremo Tribunal Federal me fez passar vergonha. Garanti, no grupo de whatsapp dos amigos do colegial (ensino médio!), que Lula seria preso na próxima segunda-feira. “A bolsa vai subir, João”, eu disse. Fui duplamente ingênuo. Primeiro porque está ficando claro que o “mercado” se importa menos do que eu imaginava sobre a possível prisão de Lula. Os agentes financeiros estão de olho nas eleições presidenciais. Consideram Ciro Gomes e Jair Bolsonaro – a quem chamam de “outsiders” – os mais prováveis adversários no segundo turno. Muito provavelmente estão errados, mas essa é outra história. A candidatura de Lula é impossível, mesmo que ele esteja solto.

Mas a maior ingenuidade foi superestimar a vontade do Supremo Tribunal Federal para tomar decisão definitiva sobre a prisão do ex-presidente. Lula pediu habeas corpus. Considera que o entendimento corrente do STF sobre prisões após condenação em segunda instância é equivocado.  Mesmo que condenado por Sergio Moro (1ª instância) e três desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Regiao (2ª instância), o ex-presidente quer responder ao processo em liberdade até que todos os recursos (STJ e STF) sejam esgotados. É seu direito pedir. E seria razoável esperar que os onze juízes do STF tomassem a decisão ontem. Enganei-me.

Após uma semana de idas e vindas, a ministra Carmen Lúcia e seus dez colegas passaram a tarde discutindo se poderiam decidir o habeas corpus de Lula. A maioria disse que sim. Mas, antes de julgarem o mérito do pedido, encerraram a sessão. Semana que vem tem páscoa, então só voltarão para o caso em 4 de abril.

Isso é incrível não só pela desfaçatez, mas porque é um claro descumprimento do artigo 123, parágrafo 2º, do Regimento Interno da instituição. Segundo o artigo, “as sessões extraordinárias do STF terão início à hora designada e serão encerradas quando cumprido o fim a que se destinem”. Ou seja: os onze ministros têm um grave problema organizacional. Não conseguem dar ao presidente do órgão autoridade suficiente para que faça cumprir o regimento.

Por que isto ocorre? Bom, em órgãos legislativos, são partidos políticos que asseguram o cumprimento das regras. Todos ganham com isso, pois diversos acordos entre atores com preferências distintas são firmados e dão estabilidade ao sistema. É o que John Huber mostra na França pós-1958 e Gary Cox conclui sobre a Inglaterra no século 19.

Pois no STF o poder é muito mais disperso. Antes de mais nada, porque todos têm estabilidade no cargo. Não são votados. Não pertencem a organizações políticas. Não prestam contas a eleitores, muito menos ao Conselho Nacional de Justiça. São completamente unaccountable. Então o presidente do STF, quem quer que seja, não consegue garantir o cumprimento de acordos – que são necessariamente ad hoc, dada a inexistência de organizações políticas. Quem descumpre o regimento não é sancionado formal nem informalmente.

Normalmente isso não é um problema, pois se regras regimentais fossem sempre descumpridas no Supremo, a instituição perderia muito de sua credibilidade. Mas em situações-limite como o habeas corpus de Lula, os juízes ficam mais inseguros e descoordenados. Aí não tem jeito mesmo.

(Entre em contato pelo meu site pessoalFacebookTwitter e email)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Gilberto Mendes

    Isso chama-se rabo PRESO na porta.

    Curtir

  2. È que foram buscar o direito na rua, no cangaço ou em brigas de galo.

    Curtir