Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Política com Ciência Por Sérgio Praça A partir do que há de mais novo na Ciência Política, este blog do professor e pesquisador da FGV-RJ analisa as principais notícias da política brasileira. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Obstrução parlamentar é ruim para Cunha e péssima para Dilma

Um grupo de deputados federais de vários partidos –PSDB, DEM, PPS, PC do B, PSOL e Rede – promete inviabilizar a permanência de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara dos Deputados. A estratégia é esvaziar o plenário para que nada seja votado enquanto Cunha continuar no cargo. É a posição mais explícita contra o deputado […]

Por Sérgio Praça Atualizado em 31 jul 2020, 00h02 - Publicado em 24 nov 2015, 12h29

Um grupo de deputados federais de vários partidos –PSDB, DEM, PPS, PC do B, PSOL e Rede – promete inviabilizar a permanência de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara dos Deputados. A estratégia é esvaziar o plenário para que nada seja votado enquanto Cunha continuar no cargo. É a posição mais explícita contra o deputado por partidos de oposição como o PSDB, DEM e PPS, que juntos têm

O principal motivo para a nova estratégia são as manobras de Cunha no Conselho de Ética da Câmara para barrar seu processo de cassação. Juntos, esses partidos controlam 107 cadeiras da Câmara dos Deputados – pouco mais de 20%. Os comunistas (se há algo de comunista neles, né?) pertencem à coalizão da presidente, pois têm o Ministério da Defesa. Jogam contra Dilma, portanto, pois ela crê que a permanência de Cunha ajuda, no mínimo, a desviar os olhos de suas próprias crises.

Obstruir o processo legislativo para derrubar Cunha é mais um fator que irá aproximá-lo do Planalto. Afinal, a presidente tem muita pressa para que projetos importantes – como a Lei de Diretrizes Orçamentárias, modificada após o pacote econômico, e a Desvinculação de Receitas da União – sejam aprovados. Se 2015 terminar sem que esses projetos sejam votados, haverá custo político para a presidente.

Considerando que três dos partidos citados (PC do B, PSOL e Rede) têm afinidade ideológica com o governo, o custo da obstrução parlamentar aumenta. (O raciocínio vem a partir do ótimo texto  de Taeko Hiroi e Lucio Rennó.) Afinal, como explicar aos eleitores que a crise presidencial se prolongará com este comportamento? Bem, provavelmente tirar Cunha da presidência é, hoje, mais importante para eles…

A coalizão anti-Cunha não tem, ainda, deputados suficientes para fazer estrago real. Funcionará somente na medida em que constranger outros partidos a abandonar o presidente da Câmara. É este o cenário mais provável.

(Entre em contato pelo meu site pessoal www.sergiopraca.com, Facebook e Twitter)

Continua após a publicidade
Publicidade