Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O voto útil em Ciro Gomes

Ciro, a terceira via, apresenta propostas econômicas que dificilmente darão certo

No início da campanha eleitoral, eu pensava que a candidatura de Ciro Gomes (PDT) fracassaria rapidamente. Seu partido elegeu apenas 20 deputados em 2014 e perdeu um ao longo do mandato. Em 2016, o PDT elegeu 327 dos 5.474 prefeitos – menos do que PSB (404) e PP (497). Não é um partido forte nem influente. Além disso, Ciro tem o hábito de se complicar com declarações machistas e arrogantes.

Mas Jair Bolsonaro (PSL) diz que sua filha é resultado de uma “fraquejada” – pois másculo mesmo é ter filho homem. (“I hope that their first child be (sic) a masculine child”, disse Luca Brasi em O Poderoso Chefão, Parte 1). O candidato do PSL disse também que não aceitaria resultado eleitoral que não fosse sua vitória, mas voltou atrás.

De qualquer maneira, é um candidato que atrai muita gente insatisfeita com o sistema político brasileiro. E deu sinais – ainda não muito fortes nem tão críveis assim, mas reais – de que pode implodi-lo caso seja eleito presidente.

Fernando Haddad (PT), o segundo colocado nas pesquisas, conquistou eleitores por (aparentemente) “ser” Lula. O ex-presidente petista passou, em poucos meses, de etéreo (“não sou um ser humano, sou uma ideia”) para carnal em outros ossos.

Para seus apoiadores, Haddad representa a possibilidade de voltar à prosperidade dos oito anos de Lula, que não pode ser totalmente atribuída ao ex-presidente. (Às vezes, presidentes são recompensados por booms econômicos internacionais , mostram Daniela Campello e Cesar Zucco.)

Com essas opções, é compreensível o movimento para que eleitores de Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) etc. mudem para Ciro. De acordo com a última pesquisa do Ibope, o candidato do PDT venceria Bolsonaro no segundo turno por 45% a 39%. Margem folgada.

As propostas econômicas de Ciro são muito mais próximas às de Dilma Rousseff (PT) do que às de Alckmin e Marina. Escrevi aqui sobre alguns temas mencionados pelo pedetista nessa área. O principal é que caso ele opte por desvalorizar a moeda nacional (e assim aumentar, não se sabe quando, a competitividade da indústria brasileira) todos os brasileiros perderão dinheiro imediatamente. Nosso salário terá menos poder de compra. É possível, claro, que Ciro esteja mentindo sobre essa proposta.

A escolha no próximo domingo se resume, então, a três candidatos: um que ameaça a participação civil na política, outro cujo partido tolera, incentiva e organiza corrupção pesada, e um terceiro cujas propostas econômicas podem trazer de volta a inflação de dois dígitos.

(Entre em contato pelo meu site pessoalFacebook e Twitter)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Bandarra

    Como pode ameaçar a participação civil se não estamos elegendo um rei? Isto é fake news.

    Curtir

  2. Paulo Bandarra

    O que faria Bolsonaro se não aceitasse perder? Juntaria com Mourão saindo por aí como cavaleiro andante?

    Curtir

  3. Paulo Bandarra

    Ou faria um ministério paralelo como Lula?

    Curtir

  4. Paulo Bandarra

    O único poder que Bolsonaro tem são os votos. Não tem um MST para atacar.

    Curtir

  5. Paulo Bandarra

    Ciro tem uma idéia tola de dar mais dinheiro bom para maus pagadores.

    Curtir