Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Não há ‘ameaça concreta’ à segurança, diz ministro da Justiça

Torquato Jardim, ministro da Justiça, esteve em Porto Alegre para tratar sobre operação de segurança para o julgamento do ex-presidente

Enquanto magistrados relataram receber ameaças em razão do julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse nesta sexta-feira, em Porto Alegre, que não há “ameaça concreta”, apenas “discurso agressivo”.

O ministro esteve na capital para tratar com o governo do estado sobre a operação de segurança para a semana do julgamento de Lula. Jardim também se encontrou com o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz.

“Nem ele [secretário de segurança Cezar Schirmer] nem eu até agora recebemos qualquer informação concreta de nomes ou ação de ameaças. Há muita informação na internet, é natural, rede social é para isso mesmo. Mas em momento algum recebemos aviso concreto com ameaça concreta. Se isso acontecer, tanto o governo do estado como o governo federal atuarão imediatamente por intermédio de seus órgãos de inteligência e investigação”, disse o ministro a jornalistas no Palácio Piratini, sede do governo gaúcho.

VEJA desta semana mostra que um militante está sendo investigado pela Polícia Federal por um áudio divulgado no WhatsApp em que planejava ações violentas.

“Há muito discurso agressivo prometendo ações ilegais, mas é um discurso que nós repudiamos. Uma coisa é o grito de discurso, de retórica, outra [coisa] é a ação. Não me preocupa o grito, não me preocupa a ameaça, desde que ela se mantenha no campo do grito e da ameaça, desde que não se transforme em ação física e ilegal. Se for ação física e ilegal, as forças de segurança cumprirão o papel”, falou Jardim.

O ministro disse que o julgamento será um “momento histórico” e que “a manifestação livre do pensamento e da vontade está garantida na Constituição”. Os movimentos sociais farão um acampamento no Anfiteatro Pôr do Sol, a 2 quilômetros do TRF4, a partir de segunda-feira.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Santos

    Uma Senadora da República e Presidente de um Partido político bradar para militantes palavras de ordem que “temos que matar” não é NADA ? Se um qualquer dissesse já seria grave, mesmo bêbado, não consigo entender. Espero que se ocorrerem violências esse senho assuma sua responsabilidade. Bem, ou ele tem medo da Senadora ou é a favor de incitação a violência ou é um inocente ou é um torcedor do petismo.

    Curtir