Clique e assine a partir de 9,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Exposições são lugares de debate, diz curador do Queermuseu a CPI

Gaudêncio Fidelis compareceu à sessão da comissão dos Maus Tratos e respondeu questionamentos dos senadores durante uma hora e meia

Por Paula Sperb - 23 nov 2017, 20h08

Atendendo à convocação da CPI dos Maus Tratos em Crianças e Adolescentes, o curador da exposição Queermuseu, Gaudêncio Fidelis, falou durante uma hora e meia durante a sessão da comissão na tarde desta quinta-feira.  A exposição foi fechada em setembro pelo Santander, em Porto Alegre, após protestos que acusavam a mostra de apologia à pedofilia. O Ministério Público entendeu que a mostra não fez apologia ao crime.

O presidente da CPI, o senador Magno Malta (PR-ES), chegou a pedir a condução coercitiva de Fidelis, que recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Alexandre de Moraes indeferiu a liminar do curador e autorizou a condução à força. Porém, Malta acabou desistindo do recurso após pressão de um abaixo-assinado.

“Vendem as pessoas como monstros, as coisas vão tomando corpo. Nossa CPI não é de pedofilia, o senhor não foi trazido aqui como pedófilo”, disse Malta a Fidelis. Na página do senador, um vídeo divulgando a sessão foi publicado com os dizeres “Magno Malta cara a cara com o curador da Queermuseu“.

“Exposições não são um lugar de consenso, são lugares de debate, dissenso e diálogo, tanto sobre artes como sobre questões da sociedade que estamos vivendo”, disse o curador. Fidelis deixou claro que discorda de que a mostra tenha relação com a CPI. O curador Luiz Camillo Osório, da exposição que contou coma  performance La Betê no Museu de Arte Moderna (MAM) também foi ouvido. A performance do MAM foi alvo de críticas depois que uma criança tocou o pé de um bailarino nu.

Continua após a publicidade

“Esse negócio de criminalizar arte, longe de mim. Meu foco é criança, não é arte”, disse Malta, ao justificar que a convocação dos dois curadores. Malta alegou que convocou Fidelis e Osório porque a CPI recebeu “inúmeras denúncias” sobre as exposições. Indignada, a senadora Mara Suplicy (PMDB-SP) lembrou que Malta não precisa aceitar todas as denúncias e questionou por que, ainda assim, chamou os curadores. O presidente da CPI, que chegou a debater tentativas de suicídio provocadas pelo jogo “Baleia Azul”, insistiu que não estava “criminalizando” a arte.

O senador José Medeiros (PSD-MT) questionou Fidelis sobre se a polêmica em torno da Queermuseu ocorreu por desinformação de quem não tem o costume de visitar exposições . “Não se trata especificamente de desinformação, embora seja necessário que se visite mais museus e que a democratização da arte cresça. Mas não foi o caso dessa exposição”, respondeu o gaúcho. Para Fidelis, o fechamento da exposição ocorreu por causa de uma “campanha difamatória” que deu novos significados a obras editadas e tiradas de contexto.

Medeiros mostrou a Fidelis a reprodução de uma obra e questionou se ela fazia parte da exposição, como constava em material da internet. “Não”, Fidelis respondeu. “Seria fácil de constatar [que a obra mostrada não fazia parte da exposição] se a exposição tivesse permanecido aberta”, argumentou o curador.

O relator também questionou Fidelis se havia um “macacão” para “crianças se tocarem” na exposição. O curador explicou que se tratava da obra O Eu e o Tu, de 1967, da artista Lygia Clark, exclusiva para adultos e que permaneceu em manequins fixos durante a Queermuseu. Além disso, argumentou o curador, a obra não tinha significado sexual. “Essa obra é muito importante, de caráter museológico, ela não pode ser manipulada. Ela não foi feita com essa concepção que o senhor descreveu. Ela foi feita para uma experiência de entendimento do outro a partir de que esse outro possa ser sem uma visão a priori do que ele é, por isso, inclusive, tem capuzes [para não enxergar]. É uma obra para adultos”, esclareceu o curador.

Continua após a publicidade

“Lhe confesso que não sou o suprassumo do progressismo, mas também não estou na caverna. Me choquei quando falaram que as crianças se vestiam e se tocavam. O senhor tirou uma laje [peso] da minha cabeça quando disse que não tinha criança nessas vestimentas”, comentou o relator.

“O senhor deve ter recebido muita informação errada sobre essa CPI e até sobre a minha pessoa. Lamento uma frase atribuída ao senhor, de que essa CPI é um circo. Nossa CPI é não é um circo, nós respeitamos arte. Se quis nos ofender, não nos ofendeu, ofendeu os artistas porque no circo se faz arte. Está encerrada a reunião”, finalizou Malta.

Fidelis, que não pôde responder ao último comentário, foi aplaudido por alguns presentes na sessão.

 

Publicidade