Clique e assine a partir de 9,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Bolsonaro chama Alckmin de ‘vaselina’ e Marina de ‘Pilatos’

Para candidato do PSL, tucano não responde questionamentos e líder da Rede não se posiciona sobre aborto

Por Paula Sperb - 29 ago 2018, 15h48

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) disse na manhã desta quarta-feira, 29, em Porto Alegre que o adversário Geraldo Alckmin (PSDB) é “vaselina, que não responde nada” e que a candidata Marina Silva (Rede) é “Pilatos”, por ser evangélica e não se posicionar sobre a descriminalização do aborto. Bolsonaro participou do evento Brasil de Ideias, promovido pela revista Voto, no Hotel Sheraton, na capital gaúcha.

“Estamos cansados do politicamente correto e do político vaselina, que não responde nada. Tudo é ‘nhé-nhé-nhé-nhé, sabe como é, vamos ver’. Nosso querido Geraldo Alckmin está nessa linha”, disse Bolsonaro. O candidato do PSL acrescentou: “Boa sorte ao Alckmin e pouco voto para ele”. Antes, disse ainda: “Fica tranquilo, Alckmin. Você está perdendo o estado para mim”, sobre os votos gaúchos.

Bolsonaro também criticou a oponente Marina Silva (Rede). “Ela deu uma entrevista à revista Marie Claire agora, de março. Foi perguntado se ela sofreu algum tipo de violência sexual na sua infância. Ela falou ‘não, nunca sofri porque eu e as minhas irmãs menores usávamos uma espingarda’. Ela mudou de ideia agora. Até como evangélica, ela tem que ter posições em alguns assuntos, como o aborto. Ela lava as mãos, deu uma de Pilatos, [dizendo que] vai para o plebiscito”, disse o candidato do PSL.

Bolsonaro chamou Marina de “Pilatos” em referência ao episódio bíblico do julgamento de Jesus Cristo. No episódio, o governador da Judeia, Pôncio Pilatos, pediu ao povo que decidisse quem deveria ser crucificado e quem deveria ser liberado: Jesus Cristo ou o criminoso Barrabás. A população optou por perdoar Barrabás.

 

Antes, Bolsonaro agradeceu ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo pedido de vistas no julgamento para torná-lo réu ou não no processo por crime de racismo. “Estou sendo processado. Ontem [dia do seu julgamento no Supremo Tribunal Federal], está dois a dois o placar. Pediram vista, quebraram meu galho aí. Pediram vista, tá? Muito obrigado”, disse o presidenciável.

O pedido de vistas foi feito pelo ministro Alexandre de Moraes, presidente da Primeira Turma. O placar foi de dois votos contrários à abertura da ação, de Marco Aurélio Mello e Luiz Fux, e dois votos para receber a denúncia, de Luís Roberto Barroso e Rosa Weber.

A agenda de Bolsonaro no Rio Grande do Sul inclui uma visita à Expointer, feira agropecuária na cidade de Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre. Na quinta-feira, Bolsonaro participará de um evento de mulheres.

Na última segunda-feira, foi a vez do candidato Geraldo Alckmin (PSDB) cumprir agenda no estado. Durante o mesmo evento para o qual Bolsonaro foi convidado, Alckmin disse que “está em moda esse negócio de novo” na política.

Continua após a publicidade
Publicidade