Clique e assine com até 92% de desconto
Ricardo Rangel

Tal filho, tal pai?

O desempenho decepcionante de Carlos sugere que Jair possa ter dificuldades em 2022.

Por Ricardo Rangel 17 nov 2020, 12h47

Que Jair Bolsonaro foi o grande derrotado das eleições municipais de 2020, não há dúvida. Mas eleições municipais e nacionais têm determinantes e dinâmicas distintos, uma derrota em 2020 não implica necessariamente uma derrota em 2022. Mas há indícios sobre como anda a capacidade eleitoral pessoal de Jair Bolsonaro, e um dos melhores é, talvez, o desempenho do filho Zero Dois, o vereador Carlos.

Zero Dois não tem vida ou carreira próprias: está umbilicalmente ligado ao pai. Foi lançado por Jair em 2000 quando tinha apenas 17 anos e não era ninguém: todos os 16 mil votos — votação exuberante ainda hoje — que obteve lhe foram transferidos pelo pai, então deputado federal. Desde então, Carlos não adquiriu vida própria nem teve atuação autônoma na Câmara, sempre foi visto como representante e marionete de Jair.

As curvas de votos entre o vereador Carlos e o deputado Jair são muito similares, e progrediram de maneira mais ou menos estável até 2014, quando a votação de Jair quase quadruplicou, tornando-o o deputado federal mais votado do estado, com 465 mil votos. Em 2016, a votação de Carlos quase quintuplicou, chegando a 106 mil, levando-o ao primeiro lugar. Era o começo da onda que levaria Jair Bolsonaro ao Planalto em 2018.

Carlos Bolsonaro é hoje um dos políticos mais conhecidos do país e seu pai é o presidente da República, que o apoia intensamente e o aponta como responsável pela vitória em 2018. Esperava-se para Carlos uma votação consagradora, e e membros de seu partido, o Republicanos, falavam em mais de 200 mil votos, talvez 250. No entanto, Zero Dois teve apenas 71 mil votos, muito menos do que em 2016, ficando atrás do PSOL. Mesmo corrigindo pela variação na abstenção (menos gente votou agora), Carlos ficaria com 79 mil votos, muito abaixo do que teve na eleição passada.

O desempenho decepcionante de Carlos recomenda que Jair ponha as barbas de molho e comece a faça alguma coisa, porque, na toada em que vai, deverá ter dificuldades em 2022.

Continua após a publicidade
Publicidade