Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Ricardo Rangel

A morte de Giannotti é uma metáfora do Brasil

A inteligência e a sofisticação morrem, a ignorância e a vulgaridade prosperam.

Por Ricardo Rangel Atualizado em 27 jul 2021, 20h50 - Publicado em 27 jul 2021, 19h30

Morreu o filósofo e professor José Arthur Giannotti, símbolo da inteligência, da cultura e da academia brasileiras.

Há poucos dias, morreu Roberto Romano, outro filósofo e professor, também ele símbolo da inteligência, da cultura e da academia brasileiras. Sintomaticamente, era especialista em ética. Sintomaticamente, morreu de Covid-19.

Pouco antes da morte dos dois grandes intelectuais, tiveram alta dos hospitais em que estavam o simulacro de intelectual Olavo de Carvalho e o inimigo da inteligência e da democracia Jair Bolsonaro.

É impossível deixar de ver nisso uma metáfora do Brasil de hoje.

A inteligência, a sofisticação e a elegância estão morrendo.

A ignorância, a vulgaridade e a grosseria passam bem.

Dias sombrios.

Continua após a publicidade
Publicidade