Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
ReVEJA Por Blog Vale a pena ler de novo o que saiu nas páginas de VEJA em quase cinco décadas de história

ReVEJA Geraldo Alckmin: Em 2001, nascia uma ‘estrela’

Pré-candidato à Presidência pelo PSDB foi citado pela primeira vez em VEJA em 1990; em 2001 virou governador ao assumir o cargo de Covas

Por Redação Atualizado em 22 jun 2018, 07h01 - Publicado em 22 jun 2018, 07h00

“Esse é o mais completo instrumento de que o consumidor brasileiro já dispôs para protegê-lo”, disse o então deputado federal Geraldo Alckmin na primeira vez que foi citado por VEJA, em 4 de julho de 1990. Ele era um dos autores do projeto de lei que originou o Código de Defesa do Consumidor e deu entrevista para a reportagem “Direito de Comprar – Parlamentares aprovam uma lei que pode — para melhor — a rotina de milhões de consumidores brasileiros”.

Matéria de VEJA sobre Geraldo Alckmin, de 4 de julho de 1990; leia na íntegra em Acervo VEJA //VEJA

Depois disso, ele voltou ao noticiário, já como vice-governador de São Paulo e candidato à prefeitura da capital paulista. No pleito de 2000, ele não foi ao segundo turno, ficando atrás de Paulo Maluf (PPB) e Marta Suplicy (PT), que acabou vencendo.

  • Mas em janeiro de 2001, ele tomou posse como governador de São Paulo com o afastamento de Mario Covas, que se tratava contra um câncer e morreria dois meses depois. No dia 31 daquele mês, a revista publicava uma pesquisa do Ibope que apontava Alckmin em primeiro lugar nas intenções de voto para o governo do estado, com 45% das intenções de voto, 15 pontos a frente de Maluf, que ficou com sua vaga no segundo turno da eleição do ano anterior.

    Matéria de VEJA sobre Geraldo Alckmin, em 31 de outubro de 2001; leia na íntegra em Acervo VEJA //VEJA

    Em outubro de 2002, na mesma eleição que em Lula (PT) venceu para a Presidência, Alckmin foi reeleito governador. A reportagem “A onda petista perdeu o ímpeto”, mostrava a vitória do político sobre José Genoíno (PT). “Nova estrela nacional na oposição ao PT”, dizia a legenda da foto.

    Matéria de VEJA sobre Geraldo Alckmin, em 30 de outubro de 2002; leia reportagem na íntegra em Acervo VEJA //VEJA

    A oposição ao partido do então presidente o levou, quatro anos depois, à disputa pela Presidência. Após passar ao segundo turno com 40 milhões de votos, ele foi capa de VEJA pela primeira vez com a chamada “O Desafiante”. “Agora ele é uma ameaça real à reeleição do presidente Lula”, dizia o texto, que traçava um perfil do tucano. Alckmin, no entanto, perdeu para Lula no segundo turno, mas foi reeleito governador em 2010 e 2014.

    Capa de VEJA estampa a foto de Geraldo Alckmin, em 11 de outubro de 2006; leia reportagem na íntegra em Acervo VEJA //VEJA

    Agora pré-candidato à Presidência pelo PSDB, ele enfrenta uma situação ainda mais complicada do que há 12 anos. Atrás nas pesquisas, ainda vê seu nome relacionado em denúncias de corrupção. Reportagem da revista de 7 de março deste ano apontou que foi no seu governo, que Paulo Vieira de Souza — conhecido como Paulo Preto e envolvido na Operação Lava Jato — se tornou diretor de relações institucionais da Dersa.

    Matéria de VEJA de 07 de março de 2018 aponta relação do governo Alckmin com Paulo Preto; leia reportagem na íntegra em Acervo VEJA //VEJA
    Continua após a publicidade
    Publicidade