Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Trump, inspiração da esquerda mundial! Também da nossa!

Dinossauros do protecionismo estão esfregando as mãos, antevendo novos tempos. Se Trump pode fechar a sua economia, por que não podemos fazer o mesmo?

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 2 fev 2017, 10h16 - Publicado em 25 jan 2017, 23h31

Mas não deu outra, né? Cantei a bola aqui, ué. Parecia-me tão óbvio!

Eis que os esquerdistas mundo afora, inclusive no Brasil, mostram-se entusiastas de Donald Trump. O presidente americano se tornou o vingador dos recalcados. Aliás, todo fascismo sempre foi isso, não? E todo discurso à moda fascista — fascistoide —, como o de Trump, é precisamente… isso!

Durante ao menos três décadas, a esquerda, mundo afora, com seus mais diversos matizes, viu triunfar os pressupostos e também os fundamentos da globalização. Nunca na história do planeta, deste ao menos (!), tantas pessoas saíram da miséria tão depressa. O fenômeno é mais evidente na China porque tudo será sempre muito evidente na China… A verdade é que aconteceu em escala global. Países da África são hoje a meca de investidores chineses, por exemplo.

A vida da população dos países que recebem esses investimentos melhorou em uma década o que não melhorou em séculos.

E tudo isso se deu ao arrepio das teses esquerdistas, seja o esquerdismo, como já disse alguém, vegetariano, seja o esquerdismo carnívoro. Quanto mais protecionistas (os vegetarianos e herbívoros) se mostraram as respectivas economias nesse período, menos se aproveitaram da onda.

Todas as teses sobre a superexploração do trabalho a gerar miséria, do marxismo rombudo e mixuruca (os carnívoros), também foram por água abaixo. Um delinquente intelectual perigoso, como Slavoj Žižek, virou um salta-pocinhas internacional de um Apocalipse que não chega nunca. Mas que ele continuará a anunciar até o fim dos dias — os seus dias…

E, sim, apareceu também um Thomas Piketty, com sua coleção de obviedades vigaristas sobre os problemas do capitalismo, a apontar como cenário utópico — no reverso da distopia que ele descreve — políticas de redução da desigualdade, que, sabe-se lá com base em que evidências, estaria nos conduzindo ao colapso.

Em suma, para as esquerdas dos mais diversos matizes, a globalização é um mal que tem de ser contido.

É o que também pensa Donald Trump. Ah, claro, ele não é exatamente do tipo que estreita humanidades no peito e se diz preocupado com o destino dos homens… Ambições desse tamanho sempre serão das esquerdas, não é?

Ele não quer saber é dessa conversa de globalismo que estaria a tirar empregos dos americanos. Ele não quer saber é desse negócio de blocos comerciais que obrigam os EUA à reciprocidade. Toda empresa que puder ser criada na América terá de ser criada na… América. Sempre que algum setor da economia do país X ou Y atrapalhar os interesses americanos, então se vai procurar intervir para, ora vejam, garantir os interesses americanos.

Continua após a publicidade

Pois é…

Num artigo na Folha desta quarta, Elio Gaspari dá uma piscadela para as sandices que Trump fala em economia e, com a devida vênia, comete o disparate de reabilitar Samuel Pinheiro Guimarães, o homem que já deu as cartas no Itamaraty durante boa parte da gestão petista e ajudou a conduzir o país ao desastre no que diz respeito às suas relações comerciais.

Dinossauros do protecionismo estão esfregando as mãos, antevendo novos tempos. Afinal, se Trump pode fechar a sua economia, por que não podemos também fechar um pouco mais a nossa — já notavelmente fechada, diga-se?

A ala Policarpo Quaresma (Lima Barreto) do Itamaraty, a do nacionalismo tosco, já anda toda assanhada. Só uma ilustração: não custa lembrar que foi para “proteger o mercado nacional e os empregos” (como diria Trump) que Lula decidiu criar a grande empresa nacional de telefonia: a Oi. Houve aporte do BNDES para formar a gigante, que está quebrada.

Aqui, faço outra antevisão. Vocês verão: Trump será uma referência no Brasil na eleição de 2018. Certa direita brucutu já tenta imitar o desassombro com que ele diz bobagens e suas grosserias, que parecem congênitas. E as esquerdas, por sua vez, ensaiam o discurso “até Trump fez tal coisa…” para tentar nos vender a tese de que o bom mesmo é ter uma economia fechada.

Pois é… Trump é hoje o grande líder das esquerdas mundiais.

Ah, sim: quando ele vier a público para ofender gays, lésbicas, mulheres, mexicanos, islâmicos etc., não se deixem impressionar. Será apenas uma performance para irritar o “outro lado”, a esquerda cultural irrelevante em economia, mas poderosa na academia, nos costumes e na imprensa. Eles se alimentam mutuamente.

De verdade, mundo afora, este impressionante senhor estará é dando razão teórica ao menos — já que nunca prática — ao esquerdismo bocó.

Mal posso esperar por 2018… Já imaginaram? Ciro Gomes, talvez Lula, Marina (que andou voltando ao reduto…), quem sabe Bolsonaro… Todos a vituperar contra os vendilhões da globalização, que tentaram entregar nossa economia os transnacionalismo.

E, ó Deus!, todos eles citando… Donald Trump!

Continua após a publicidade
Publicidade