Clique e assine a partir de 8,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Taxa de desemprego sobe 22% no 3º trimestre em comparação com igual período de 2014

Índice chega a 8,9%, o que corresponde a 9 milhões de trabalhadores desempregados

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 00h02 - Publicado em 24 nov 2015, 15h47

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 8,9% no terceiro trimestre deste ano, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, a Pnad Contínua, divulgada nesta terça-feira pelo IBGE.

Esse é o maior índice registrado na série histórica do indicador, iniciada em 2012, e corresponde a 9 milhões de pessoas sem trabalho no país. Em relação ao segundo trimestre, quando a taxa foi de 8,3%, o crescimento foi de 7%.

Quando se comparam os números do terceiro trimestre deste ano com os de igual período do ano passado (6,8%), a coisa fica feia: nesse caso, a taxa de desemprego aumentou 22%, o que dá uma medida do problema.

A renda média real do trabalhador ficou em R$ 1.889 reais no terceiro trimestre, o que representa queda de 1,2% em relação aos três meses imediatamente anteriores, e ficou estável em comparação com o mesmo período de 2014.

Desde janeiro de 2014, o IBGE passou a divulgar a taxa de desocupação em bases trimestrais para todo o território nacional. A nova pesquisa tem por objetivo substituir a Pesquisa Mensal de Emprego, que abrange apenas seis regiões metropolitanas e será encerrada em fevereiro de 2016, e também a Pnad anual, que produz informações referentes somente ao mês de setembro de cada ano.
Para o IBGE, é desempregado aquele que procura um emprego e não encontra. Os ambulantes, por exemplo, sem um vínculo empregatício, mas com renda, não entram na conta — a menos que tenham batido à porta de alguma empresa, sem sucesso.

Continua após a publicidade
Publicidade