Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Sindicalismo gay apoiou protesto no Rio. Por quê?

Ri cá comigo ao acompanhar uma das reportagens de TV nesta segunda sobre o protesto no Rio. A jornalista informava que a manifestação era liderada pelos professores, mas contou com o apoio de bancários em greve e do movimento LGTBXYZ (Gays, Lésbicas, Simpatizantes e afins). É mesmo? Por que o sindicalismo gay participa de um […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 05h14 - Publicado em 8 out 2013, 06h03

Ri cá comigo ao acompanhar uma das reportagens de TV nesta segunda sobre o protesto no Rio. A jornalista informava que a manifestação era liderada pelos professores, mas contou com o apoio de bancários em greve e do movimento LGTBXYZ (Gays, Lésbicas, Simpatizantes e afins). É mesmo?

Por que o sindicalismo gay participa de um protesto de professores contra o plano de carreira? Mais ainda: por que isso é notícia? Deve-se supor, a partir daí, que todos os gays são favoráveis ao protesto? Deve-se partir do princípio de que, por ser gay, lésbica (ou qualquer outra daquelas letras), o sujeito está proibido de se opor ao movimento? E se um homossexual apoiar o plano de carreira de Prefeitura? Ele passa a ser hétero por isso ou será apenas um traidor da categoria?

Sempre que faço aqui a distinção entre gays e o sindicalismo gay, entre o indivíduo homossexual e o gayzismo, há quem reclame. Eis aí um caso evidente, escancarado. Ocorre-me outra coisa: será que não existem gays conservadores em política, gays de direita? Todos eles são forçados a ser de esquerda, a militar no PSOL do deputado federal Jean Wyllys? Não por acaso, é justamente o PSOL que lidera essa paralisação reacionária, que atenta contra os interesses das crianças pobres. Os ricos da Zona Sul estudam em escola privada, certo?

Que bancários em greve endossem a manifestação, vá lá. Trata-se de categorias profissionais unindo seus respectivos protestos. Mas os gays? Digam-me cá: seria concebível um movimento também de homossexuais e associados contra a greve, ou isso se descarta como absurdo porque se supõe que a condição sexual implica uma ideologia?

Continua após a publicidade
Publicidade