Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Servidão voluntária – A categoria que enfrentou a ditadura para participar de um culto ecumênico em protesto contra o assassinato de Herzog é hoje obrigada a se esconder de black blocs. E, infelizmente, fica de boca calada!

Caio Silva de Souza. É este o nome do parceiro de Fábio Raposo, o rapaz que já está preso, no ato criminoso que resultou na morte do cinegrafista Santigo Andrade, da Band. Souza também teve decretada a prisão temporária. Se não se apresentar nas primeiras horas de hoje, a polícia, então, passará a procurá-lo. Não […]

Vladimir Herzog morto na cela do DOI-CODI; obra de bandidos

Vladimir Herzog morto na cela do DOI-CODI; obra de bandidos

Santiago Andrade agoniza  na calçada: obra de bandidos

Santiago Andrade agoniza na calçada: obra de bandidos

Caio Silva de Souza. É este o nome do parceiro de Fábio Raposo, o rapaz que já está preso, no ato criminoso que resultou na morte do cinegrafista Santigo Andrade, da Band. Souza também teve decretada a prisão temporária. Se não se apresentar nas primeiras horas de hoje, a polícia, então, passará a procurá-lo. Não sei, não… Mas tenho a impressão de que era isso o que os ditos “manifestantes” queriam evitar quando passaram a assediar Raposo, oferecendo-lhe ajuda, a exemplo do que fez a tal “Sininho”, a moça que acha que a imprensa é composta de “carniceiros” e que diz ter falado em nome do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ). Raposo e Souza serão indicados por homicídio qualificado e explosão. Se condenados, a pena pode chegar a 35 anos de cadeia — será bem menos, eu sei…

Nesta segunda, entidades profissionais as mais variadas pediram proteção a jornalistas. Ok. Acho que é sempre saudável debater as condições de trabalho. Mas que tipo de proteção esperam? Por mais rebarbativas e, às vezes, covardes que tenham sido as notas, nenhuma consegue ser tão asquerosa, tão moralmente delinquente, como a do Sindicatos dos Jornalistas do Rio. O texto é nauseabundo (íntegra aqui). Jornalistas com um mínimo de decoro profissional que ainda são associados deveriam pedir imediatamente para se desligar de uma entidade capaz de cometer tamanha indignidade.

A primeira palavra da nota pública do sindicato já é moralmente dolosa. Reproduzo um trecho:
“Independentemente de onde tenha partido o artefato explosivo que feriu gravemente o repórter cinematográfico Santiago Ilídio Andrade, que trabalha na TV Bandeirantes, em protesto na Central do Brasil contra o aumento das passagens de ônibus, nesta quinta-feira (06/02), as imagens revelam que o profissional, assim como a maioria dos jornalistas atuantes nas coberturas de manifestações desde junho passado, não estava preparado para enfrentar um risco como esse. (…)”

Como? “Independentemente de onde tenha partido o artefato (…)”??? O Sindicato dos Jornalistas do Rio ainda tem alguma dúvida a respeito? Ainda não está plenamente convencido, apesar das imagens e da confissão de um dos presos, obtida sob a proteção de todas as garantias legais? Se você tiverem paciência para ler a íntegra, verão que o sindicato elegeu como alvos “os patrões” e, claro, o estado. Não há uma só palavra censurando os assassinos de Santiago; não há uma vírgula contra a violência nas manifestações.

Ao afirmar que o cinegrafista “não estava preparado”, o sindicato, queira ou não, o torna uma espécie de coautor da próprio assassinato, entenderam? Os principais responsáveis, é evidente, são “os patrões e o estado”; secundariamente, Santiago deveria responder pela imprudência — ele e outros tantos que vão para a rua sem… capacete! O sindicato não gosta disso. A instituição que veio a público pedir a cabeça de uma profissional porque emitiu uma opinião com a qual o sindicato não concorda é incapaz de ser clara e inequívoca na censura aos assassinos de um cinegrafista e ainda parece duvidar um tanto da verdade escancarada.

Parece que o modelito imaginado pelo Sindicato dos Jornalistas do Rio para os profissionais de imprensa é o mesmo dos black blocs: capacete, máscara antigás, quem sabe alguns morteiros — mas só para se defender, é claro…

Perguntem
Perguntem a qualquer jornalista de grande veículo cujo rosto seja conhecido — e isso vale, é óbvio, especialmente para as TVs — se hoje eles têm coragem de cobrir manifestações. A resposta, obviamente, é não. A menos que usem, de fato, máscaras. Perguntem a esses mesmos jornalistas se é da polícia que eles têm medo. Pode até haver um outro; sabem que podem se ferir em confrontos; que há, sim, policiais que podem tomar decisões estúpidas, mas a verdade é que esses profissionais da imprensa não podem cobrir esses eventos porque seriam linchados por black blocs e delinquentes afins.

No dia 31 de outubro de 1975, ainda nos piores dias da ditadura, estima-se QUE PELO MENOS MIL JORNALISTAS estavam no culto ecumênico na Catedral da Sé, que denunciava o assassinato de Vladimir Herzog, ocorrido no dia 25 daquele mês nas dependências do DOI-Codi. Todos estavam, sim, como muito medo — como de resto as outras estimadas sete mil pessoas que lá se encontravam. Mas os jornalistas, ainda assim, enfrentaram o perigo.

Quase 40 anos depois, em plena vigência do regime democrático, a categoria que enfrentou a ditadura para participar de um culto ecumênico é obrigada a se esconder de fascistoides e baderneiros.

Texto publicado originalmente às 6h29
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s