Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Saúde 2 – Na cidade de SP, a “salvação” é a AMA

Por Carlos Marchi, no Estadão:Nos últimos meses, a morte, aparência sinistra, paramentada de preto e portando sua foice, andou invadindo os sonhos da pernambucana Beliza Pereira da Silva, 77 anos, moradora de São Miguel Paulista, como representação das dores no estômago que, quando vêm, queimam como rastilho de um presságio ruim. Há duas semanas ela […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 20h02 - Publicado em 23 dez 2007, 05h17
Por Carlos Marchi, no Estadão:
Nos últimos meses, a morte, aparência sinistra, paramentada de preto e portando sua foice, andou invadindo os sonhos da pernambucana Beliza Pereira da Silva, 77 anos, moradora de São Miguel Paulista, como representação das dores no estômago que, quando vêm, queimam como rastilho de um presságio ruim. Há duas semanas ela fez, afinal, a endoscopia e o ultra-som que vão revelar a extensão da sua gastrite. A consulta com o gastroenterologista está marcada para 3 de janeiro e ela, angustiada pelos sonhos com a senhora de preto, se pergunta: vai dar tempo?

Claro que vai dar, diz com lógica a filha Maria Neide. Mas quarta-feira dona Beliza, mais uma vez alquebrada pela dor, foi à Assistência Médica Ambulatorial (AMA) Sítio da Casa Pintada, em São Miguel Paulista, procurar paliativo, enquanto a solução não vem. Sob chuva fina, foi a primeira a chegar, por volta das 6h30, com um sorriso simpático que mascarava a dor. Não tinha reclamações a fazer sobre o atendimento básico de saúde de São Paulo, que ela tanto tem freqüentado. “Às vezes a AMA está cheia, mas eles sempre atendem bem”, disse com bonança na voz.

O atendimento do médico a dona Beliza na quarta-feira foi um dos 14,3 milhões de consultas que a saúde da maior cidade do País propiciará este ano aos 4,2 milhões de habitantes sem convênios particulares – uma média de 3,4 consultas anuais por dependente do SUS. Não há médico que chegue: foram 17,97 milhões de consultas em 2004, 20,86 milhões em 2005 e 20,8 milhões em 2007 (janeiro a outubro); 8,3 milhões de exames clínicos em 2004, 17,8 milhões em 2005 e 21,5 milhões em 2007 (janeiro a outubro). A cidade de São Paulo tem o terceiro orçamento de saúde do Brasil (R$ 3,18 bilhões em 2006), atrás do estadual paulista (R$ 9,2 bilhões) e do federal (R$ 43,6 bilhões).
Assinante lê mais aqui

Publicidade