Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Roberto Jefferson: o problema não é o câncer, mas os efeitos decorrentes da cirurgia, diz ex-deputado

Reproduzo dois posts do blog do ex-deputado Roberto Jeffeson, que transformo num texto só. Volto em seguida: Laudo dos médicos do Instituto Nacional de Câncer (Inca) — de que, do “ponto de vista oncológico”, isto é, do câncer, não é imprescindível minha permanência em casa/hospital para tratamento — surpreendeu-me, porque o assunto pra mim estava […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 04h50 - Publicado em 9 dez 2013, 18h42

Reproduzo dois posts do blog do ex-deputado Roberto Jeffeson, que transformo num texto só. Volto em seguida:
Laudo dos médicos do Instituto Nacional de Câncer (Inca) — de que, do “ponto de vista oncológico”, isto é, do câncer, não é imprescindível minha permanência em casa/hospital para tratamento — surpreendeu-me, porque o assunto pra mim estava encerrado. Quem leu entrevista recente minha à “Folha” viu que eu já afirmara que eu não tinha mais a doença. Meus problemas de saúde hoje são decorrentes da cirurgia à qual me submeti para a retirada do tumor no ano passado. Tive dois cânceres, um em 1992 e outro em 2012; tenho fé em Deus que me livrei deles.

Minha cirurgia para a retirada de neoplasia maligna na cabeça do pâncreas — considerada de grande porte e de alta complexidade — foi um sucesso do ponto de vista da retirada do tumor, mas, como não poderia ser diferente, trouxe complicações outras (passei a ir, por exemplo, de oito a dez vezes ao banheiro por dia, visto que meu trânsito alimentar passou a ser extremamente rápido). Afinal, retiraram quatro quintos do meu estômago, todo o duodeno, a cabeça do pâncreas (a vesicular biliar já havia sido retirada em cirurgia anterior), 1,5 metro do meu intestino delgado, e parte do fígado. Hoje não preciso apenas de medicamentos, mas do acompanhamento da equipe que me assiste e de toda a estrutura necessária na forma de exames, suplementos vitamínicos e oligoelementos, alguns deles injetáveis, reposição de enzimas, seis alimentações diárias, exercícios físicos específicos etc. Esta é a razão do pedido encaminhado por minha defesa junto ao Supremo Tribunal Federal para que me fosse concedida a prisão domiciliar.

Voltei
Não sou médico. Li o que vai acima para um especialista, e ele me disse que os cuidados que o ex-deputado diz que se fazem necessários são compatíveis, sim, com a sua situação. Parece-me, pois, que Jefferson, mais do que José Genoino, precisa do socorro doméstico, não?

Notem que nem entro no mérito da ação de cada um deles nessa história. Sem especular sobre as motivações subjetivas de Jefferson, acho que ele prestou um serviço ao país. Genoino continua a se achar um herói. Desconsideremos essas coisas. Pensemos apenas em cada doente.

PS – Conforme o previsto, ninguém derramou uma lágrima por Jefferson…

Continua após a publicidade

Publicidade