Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Real valorizado e demanda fraca derrubam ganho dos exportadores

Por Marcelo Rehder, no Estadão: Achatada pela combinação de preços em queda, câmbio sobrevalorizado e demanda mundial fraca, a rentabilidade das exportações brasileiras já encolheu este ano 12%, até abril. Comparada com outubro de 2008, pico de rentabilidade no ano, a margem média dos exportadores recuou 20,7%, segundo índice calculado pela Fundação Centro de Estudos […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 22 fev 2017, 15h53 - Publicado em 12 jun 2009, 07h37

Por Marcelo Rehder, no Estadão:
Achatada pela combinação de preços em queda, câmbio sobrevalorizado e demanda mundial fraca, a rentabilidade das exportações brasileiras já encolheu este ano 12%, até abril. Comparada com outubro de 2008, pico de rentabilidade no ano, a margem média dos exportadores recuou 20,7%, segundo índice calculado pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex).
“A situação piorou em maio, por causa da valorização do real ante o dólar, e tende a piorar ainda mais”, diz Fernando Ribeiro, economista-chefe da Funcex. Em abril, o câmbio médio foi de R$ 2,20 por dólar. Essa média caiu para R$ 2,06 em maio e já está abaixo de R$ 2 este mês.
Até abril, a rentabilidade das exportações ainda se mantinha num nível 7% superior ao registrado em igual período de 2008. No entanto, o economista da Funcex explica que a situação agora é mais complicada porque a demanda mundial está em retração e o exportador brasileiro não tem fôlego para tirar mercado dos concorrentes, nem espaço para compensar perdas com o aumento nos preços em dólar.
A questão é que a taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, variável-chave de todo o setor produtivo. Sempre que o câmbio estiver sobrevalorizado, há um desestímulo não apenas à exportação, mas também à produção local, aos investimentos e à geração de emprego e renda, na medida em que o dólar barato favorece a importação.
Aqui

Publicidade