Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Prioridade é teto de gastos: e tem de valer para todo mundo, também para Estados

Parlamentares ainda resistem a criar um limite para gastos com saúde e educação

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 21h43 - Publicado em 28 set 2016, 17h39

Na primeira reunião que o presidente Michel Temer fez no Palácio da Alvorada, nesta terça, ficou acertado que a prioridade absoluta é a aprovação da PEC que institui o teto dos gastos públicos, que o presidente gostaria de ver aprovada na semana do dia 10 de outubro. O governo considera que a medida é essencial para resgatar a confiança na economia. Segundo o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), partidos como PMDB, PP, PR, PTB e PSD já fecharam questão.

A resistência ainda diz respeito a gastos com saúde e educação. Bem, que se estude um mecanismo que permita a elevação de gastos nessa área desde que saiam de algum lugar, ora essa. Há também uma divergência sobre se o limite vale ou não para os Estados. Geddel acha que sim. Darcísio Perondi (PMDB-RS) acha que não.

Bem, que fique clara uma coisa: se os Estados não tiverem também seu teto, a medida já começa a fazer água antes de ser aplicada. A razão é clara: estados nem fecham nem entram em falência. Quando quebram, acabam sendo socorridos pelo… governo federal.

Tem de valer para todo mundo.

Continua após a publicidade

Publicidade