Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Popularidade não se transfere, diz estrategista de Obama

Por Fernando Barros de Mello, na Folha: Comandante da publicidade na vitoriosa campanha presidencial de Barack Obama nos Estados Unidos, o consultor Jason Ralston disse ontem que um líder popular não é capaz de transferir totalmente votos para o candidato que apoia. “É sempre preferível ter o apoio de um líder popular a não tê-lo. […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 16h38 - Publicado em 16 out 2009, 05h31

Por Fernando Barros de Mello, na Folha:
Comandante da publicidade na vitoriosa campanha presidencial de Barack Obama nos Estados Unidos, o consultor Jason Ralston disse ontem que um líder popular não é capaz de transferir totalmente votos para o candidato que apoia.
“É sempre preferível ter o apoio de um líder popular a não tê-lo. Mas creio que a popularidade de um líder não é transferível para outro candidato”, disse Ralston, definido pelo jornal “The Washington Post” como o “cérebro da publicidade na campanha presidencial de Obama”.
Ralston foi questionado sobre a popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que vem batendo recordes (67% de ótimo ou bom, segundo a mais recente pesquisa Datafolha, realizada em agosto), e sobre as tentativas do presidente de elevar os índices de intenção de voto da sua candidata na eleição do ano que vem, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.
O cenário é bastante diferente do da última eleição presidencial dos Estados Unidos, no ano passado, quando Obama focou sua estratégia no conceito de mudança, centrando fogo em um governo com baixo nível de aprovação, do então presidente George W. Bush.
Ralston argumentou com um exemplo hipotético. Disse que, caso a senadora e hoje secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, não disputasse as primárias (processo interno de escolha do candidato) do Partido Democrata e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, declarasse apoio desde o começo a Obama, isso não teria sido decisivo.
“Ajudaria, é claro. Mas não sei se nos levaria à vitória. É melhor ter [o apoio], mas não é um elemento decisivo.” Ele disse que não faria mais comentários, por não ter muitos detalhes sobre o cenário brasileiro.
Ralston foi uma das estrelas de “O Efeito Obama”, seminário promovido pelo Grupo Santander Brasil. Senador pelo Estado de Illinois, Obama não era favorito para ser o candidato democrata na disputa pela Casa Branca. Mas venceu a indicação interna, contra Hillary e a forte máquina partidária dos Clinton. Depois, bateu o republicano John McCain.
Segundo Jason, uma campanha deve “saber o que defende”, “ter disciplina e comprometimento”, “construir relações com os eleitores e fortalecê-las” e “usar tecnologia para integrar esforços de seus comitês”. Disse ainda que a velocidade de resposta a ataques adversários é muito importante. Aqui

Publicidade