Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

População da Colômbia rejeita acordo de paz com as Farc

A inesperada derrota do pacto no referendo deixa em situação incerta as negociações entre o governo e a guerrilha

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 21h40 - Publicado em 3 out 2016, 00h42

Na VEJA.com. Comento mais tarde, na madrugada:

Por uma pequena margem de votos, a população da Colômbia rejeitou em um referendo neste domingo o acordo de paz do governo do país com os guerrilheiros das Farc, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. O “não” ao pacto tem 50,2% dos votos, contra 49,8%% do “sim”, uma vantagem de 52 mil votos. O referendo teve um baixo comparecimento, com apenas cerca de 40% dos eleitores aptos indo às urnas.

O inesperado resultado – pesquisas indicavam vitória tranquila do “sim” – derrota o acordo firmado na semana passada, depois de quatro anos de conversas, entre o presidente Juan Manual Santos e o líder guerrilheiro Rodrigo Londoño Echeverri, o Timochenko, que buscava encerrar um conflito que já dura mais de meio século. O “não” à proposta deixa as negociações entre a Colômbia e as Farc em situação incerta: confiante na vitória, Santos havia dito que não existia “plano B” para o acordo.

A campanha pelo “não” teve o apoio do ex-presidente Alvaro Uribe e criticava a anistia aos guerrilheiros das Farc. “Os americanos não dariam impunidade a Osama bin Laden, nem os franceses teriam dado impunidade ao Estado Islâmico. Por que os colombianos têm que dar impunidade total aos terroristas que atingiram tanto a Colômbia como Bin Laden atingiu os Estados Unidos?”, disse Uribe em um protesto antes do referendo.

Continua após a publicidade
Publicidade