Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Podcast do Diogo: Eros Grau, a Justiça, a luta de classes, o comunismo e idéias flatulentas

Daqui a pouco, vai ao ar o Podcast do Diogo Mainardi, cuja íntegra segue abaixo. Ao ler, tentei achar alguma graça. Não consegui. É coisa seriíssima, meus caros. Um juiz da nossa Suprema Corte diz que “o direito que está aí está comprometido com a ordem burguesa”. Mais: diz ter sido comunista e emenda: “Quem […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 22h30 - Publicado em 3 Maio 2007, 18h10
Daqui a pouco, vai ao ar o Podcast do Diogo Mainardi, cuja íntegra segue abaixo. Ao ler, tentei achar alguma graça. Não consegui. É coisa seriíssima, meus caros. Um juiz da nossa Suprema Corte diz que “o direito que está aí está comprometido com a ordem burguesa”. Mais: diz ter sido comunista e emenda: “Quem foi nunca deixa de ser”. Mais ainda: diz que, em seus votos, tenta preservar a sua “utopia”. Publico o link com a locução de Diogo daqui a pouco.

Eros Grau é ministro do Supremo Tribunal Federal. Acaba de lançar um livro de poesia erótica. O título é Triângulo no Ponto. Na última quarta-feira, ele foi entrevistado por Ricardo Noblat, no Globo. Criou-se uma certa atmosfera de escândalo em torno do livro. Na verdade, escandaloso não é o livro – é a entrevista.

Eros Grau foi indicado ao STF em 2004. Sim: por Lula. Sim: Lula escolheu errado. Sim: entre escolher certo e errado, Lula sempre escolhe errado. Eros Grau ocupa o cargo mais alto da Justiça brasileira. Mas o fato é que ele não acredita na Justiça. Ou, pelo menos, não acredita naquilo que nós chamamos de Justiça.

Na entrevista para o Globo, ele diz: “O que o direito manda não coincide necessariamente com o que eu acho. O direito que está aí é mais comprometido com a preservação da ordem burguesa”. Ricardo Noblat pergunta: “A utopia se perdeu?” E Eros Grau responde: “Para mim, não. Tento preservá-la nos votos que dou. O Poder Judiciário é uma arena onde se joga a luta de classes. Sempre faço algumas coisas mostrando a minha preocupação com o social. Nossa ordem jurídica é comprometida com as relações mercantis – sobretudo com as de intercâmbio”.

Isso significa que Eros Grau está no STF para atacar a ordem burguesa, para preservar a utopia, para tomar partido na luta de classes, para favorecer as camadas mais pobres da população e para interferir nas relações mercantis. Quanto à aplicação das leis, ele afirma que as aplica, sim, mas um tantinho a contragosto, porque elas não correspondem ao seu ideal de justiça.

Noblat pergunta até quando Eros Grau foi comunista. Ele responde, com uma ponta de orgulho: “Quem foi nunca deixa de ser”. Quando ouço falar em justiça comunista, penso imediatamente em tribunais de exceção, em tróicas, em artigo 58, em expurgos, em inimigos do povo, em gulags, em execuções sumárias. Se Eros Grau fosse nazista, ele jamais admitiria isso em público. Mas o nazismo não foi pior do que o comunismo.

Não me importo que um ministro do STF escreva poesias sobre sexo anal ou sobre “sonoras flatulências vaginais”. Eu pediria mais recato e mais pudor apenas quando ele trata de Justiça.

Continua após a publicidade
Publicidade