Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Pimentel, como se vê, continua a ser aquele mesmo que era chefe da turma do falso dossiê

No “Painel” da Folha de hoje, lê-se a seguinte nota: FHC: “eu não” Em resposta a Fernando Pimentel, segundo quem Fernando Henrique Cardoso teria recebido R$ 80 mil para “passar a manhã, conversar e tomar um café” na Federação das Indústrias de Minas Gerais, o ex-presidente da República diz: “Eu cobro por palestras. Não recebi […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 09h56 - Publicado em 12 dez 2011, 16h12

No “Painel” da Folha de hoje, lê-se a seguinte nota:

FHC: “eu não”
Em resposta a Fernando Pimentel, segundo quem Fernando Henrique Cardoso teria recebido R$ 80 mil para “passar a manhã, conversar e tomar um café” na Federação das Indústrias de Minas Gerais, o ex-presidente da República diz: “Eu cobro por palestras. Não recebi da Fiemg o referido montante nem qualquer outra remuneração, pois não fiz palestras lá. Devem ter se enganado de pessoa”. Em entrevista à Folha, o ministro atribuiu a informação sobre os alegados R$ 80 mil a Robson Andrade. Hoje presidente da CNI, ele comandava a Fiemg à época em que a entidade pagou R$ 1 milhão a Pimentel a título de consultoria.

Voltei
Ainda que FHC tivesse mesmo recebido aquele dinheiro, qual é o problema? Que se saiba, Lula conferiu palestras milionárias neste 2011, não é? Com uma diferença: FHC foi sucedido no poder por um partido de oposição. Ninguém poderia ter a ilusão de que pudesse influenciar em decisões do Planalto. Já o Apedeuta, como se sabe, é o chefe de fato do PT e nomeou ministros.

Mas voltemos a Pimentel. O homem não mudou. Continua a ser aquele mesmo chefe da turma que estava montando o falso dossiê contra Serra e que foi pego com a boca na botija. Vejam a ligeireza com que sai atacando.

Que fique claro: o sr. Pimentel deixou a Prefeitura e passou a prestar consultorias para entidades e empresas com interesses na… Prefeitura, onde ele continuava a ser voz influente, até porque elegeu seu sucessor. Mais: seu sócio exercia cargo de confiança lá.

Continua após a publicidade

Publicidade