Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Paulo Henrique Amorim terá de cumprir pena por injúria racial contra Heraldo Pereira

Depois de chamar Heraldo de “negro de alma branca”, escreveu Amorim: “[Heraldo] não conseguiu revelar nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde”

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 22h26 - Publicado em 23 jun 2016, 21h09
Heraldo Pereira: Amorim acha que ele é um "negro de alma branca"... A Justiça é o lugar de resolver algumas questões na democracia

Heraldo Pereira: seu crítico acha que ele é um “negro de alma branca”… A Justiça é o lugar de resolver certas questões na democracia. Sorte de Amorim, né?

Ai, ai… Eu bem que avisei!

No dia em que um jornalista chapa-branca tem de prestar depoimento à Operação Custo Brasil e em que o veículo que dirige é alvo de mandado de busca e apreensão — refiro-me a Leonardo Attuch, do site 247 —, Paulo Henrique Amorim é condenado a fazer companhia a outros petistas e também deve entrar em cana!!!

O ex-jornalista e apresentador terá de cumprir pena por crime de injuria racial contra o jornalista Heraldo Pereira, da Globo, chamado no blog “Conversa Afiada” de “negro da alma branca”.

Amorim chegou a ser defendido pela companheirada dos blogs petistas, sujos e chapas-brancas. E até por ditos movimentos negros ligados muito mais ao caixa da petralhada do que à causa de combate ao racismo.

A condenação a um ano e oito meses de reclusão estava, desde 2013, dependendo só da ordem para execução da pena. E ela acaba de ser dada pela ministra Laurita Vaz, vice-presidente e presidente eleita do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Dois recursos redundantes ao STF, ainda pendentes, não podem impedir a execução do que foi julgado no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, pela 6ª Turma Criminal, relatado pela desembargadora Nilsoni Freitas e confirmado pelo STJ e pelo próprio STF em diversos ações protelatórias da defesa, todas elas já rechaçados.

Continua após a publicidade

Paulo Henrique Amorim deixou de ser primário recentemente, depois de ter sido condenado definitivamente pelo STF por injúria contra o também jornalista Merval Pereira, de O Globo e da Globo News.

Quem é reincidente no crime cumpre pena em regime fechado. Ou não é assim?

Conquistas da civilização
Ah, claro!, cabe a questão, como argumentou a defesa de Amorim: não estaria o dito-cujo apenas exercendo o seu direito à “liberdade de expressão”? Não custa lembrar: no texto que acabou levando-o à condenação, Amorim inferia que o prestígio de que Heraldo goza na maior emissora do país não se deve à sua competência, a seu talento, a seu esforço, mas ao fato de ser um negro, vamos dizer, servil aos brancos.

Depois de chamá-lo de “negro de alma branca”, escreveu Amorim: “[Heraldo] não conseguiu revelar nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde”.

É evidente que se trata de uma injúria de caráter racial. Gosto de dissecar os assuntos. Amorim poderia ter dito que tal sucesso, que é real, se deveria ao fato de Heraldo ser puxa-saco, reacionário, patronal, de direita, tucano… Escolham aí as palavras com que essa gente costuma ofender os desafetos.

Mas não! Amorim decidiu que é a cor da pele que faz Heraldo ser essa pessoa por quem ele tem tão pouco apreço.

Direi nesse caso o que disse no caso de Bolsonaro: as palavras fazem sentido!

Vá lá, Paulo Henrique… Um tempinho na cadeia não há de lhe fazer mal. Junto com a companheirada na alegria e na tristeza.

Continua após a publicidade
Publicidade