Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Patriota pede uma avaliação da herança maldita deixada por Celso Amorim

A política externa de Celso Amorim foi de tal sorte desastrosa para o Brasil que o próprio Itamaraty decidiu fazer uma espécie de ampla consulta às suas bases — embaixadas, missão na ONU, departamentos etc — para avaliar o comportamento do governo em face de temas como direitos humanos, relação com países facinorosos, como o […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 21 Feb 2017, 07h22 - Publicado em 31 Jan 2011, 13h59

A política externa de Celso Amorim foi de tal sorte desastrosa para o Brasil que o próprio Itamaraty decidiu fazer uma espécie de ampla consulta às suas bases — embaixadas, missão na ONU, departamentos etc — para avaliar o comportamento do governo em face de temas como direitos humanos, relação com países facinorosos, como o Irã, e com democracias, como os Estados Unidos. A decisão foi do ministro Antonio Patriota.

Daqui a pouco, Marco Aurélio Garcia, virando os olhos sobre os óculos, num esgar característico de quem repudia a suposta ignorância do interlocutor — justo quem… — vai negar que algo assim exista. Mas existe.

Estávamos, evidentemente, certos todos aqueles que apontávamos os descalabros de Amorim, o homem que concedeu oito passaportes ilegais para a família Soprano e Andando; o homem que pôs o Brasil de braços dados com o Irã; o homem que enviou um documento à ONU pedindo uma revisão da política de Direitos Humanos.

Em seus oito anos à frente do Ministério, o Brasil perdeu todos os cargos que disputou em organismos multilaterais. Muito a propósito: em detrimento de um brasileiro,  o Megalonanico levou o Brasil a apoiar a candidatura do egípcio Farouk Hosni, um anti-semita assumido, para a secretaria-geral da Unesco. Os EUA estavam dispostos a apoiar o brasileiro Márcio Barbosa. O então ministro considerava o nome “tucano demais”… Venceu a búlgara Irina Bukova. Foi a primeira búlgara a ocupar um cargo relevante…

Continua após a publicidade

Sei que vocês já conhecem, mas relembro a lista de todas as besteiras e derrotas de Celso Amorim:

NOME PARA A OMC
Amorim tentou emplacar Luís Felipe de Seixas Corrêa na Organização Mundial do Comércio em 2005. Perdeu. Sabem qual foi o único país latino-americano que votou no Brasil? O Panamá!!! Culpa do Itamaraty, não de Seixas Corrêa.

OMC DE NOVO
O Brasil indicou Ellen Gracie em 2009. Perdeu de novo. Culpa do Itamaraty, não de Gracie.

NOME PARA O BID
Também em 2005, o Brasil tentou João Sayad na presidência do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Deu errado outra vez. Dos nove membros, só quatro votaram no Brasil – do Mercosul, apenas um: a Argentina. Culpa do Itamaraty, não de Sayad.

ONU
O Brasil tenta, como obsessão, a ampliação (e uma vaga permanente) do Conselho de Segurança da ONU. Quem não quer? Parte da resistência ativa à pretensão está justamente no continente: México, Argentina e, por motivos óbvios e justificados, a Colômbia.

CHINA
O Brasil concedeu à China o status de “economia de mercado”, o que é uma piada, em troca de um possível apoio daquele país à ampliação do número de vagas permanentes no Conselho de Segurança da ONU. A China topou, levou o que queria e passou a lutar… contra a ampliação do conselho. Chineses fazem negócos há uns cinco mil anos, os petistas, há apenas 30…

DITADURAS ÁRABES
Sob o reinado dos trapalhões do Itamaraty, Lula fez um périplo pelas ditaduras árabes do Oriente Médio.

CÚPULA DE ANÕES
Em maio de 2005, no extremo da ridicularia, o Brasil realizou a cúpula América do Sul-Países Árabes. Era Lula estreando como rival de George W. Bush, se é que vocês me entendem. Falando a um bando de ditadores, alguns deles financiadores do terrorismo, o Apedeuta celebrou o exercício de democracia e de tolerância… No Irã, agora, ele tentou ser rival de Barack Obama…

ISRAEL E SUDÃO
A política externa brasileira tem sido de um ridículo sem fim. Em 2006, o país votou contra Israel no Conselho de Direitos Humanos da ONU, mas, no ano anterior, negara-se a condenar o governo do Sudão por proteger uma milícia genocida, que praticou os massacres de Darfur – mais de 300 mil mortos! Por que o Brasil quer tanto uma vaga no Conselho de Segurança da ONU? Que senso tão atilado de justiça exibe para fazer tal pleito?

FARC
O Brasil, na prática, declara a sua neutralidade na luta entre o governo constitucional da Colômbia e os terroristas da Farc. Já escrevi muito a respeito.

RODADA DOHA
O Itamaraty fez o Brasil apostar tudo na Rodada Doha, que foi para o vinagre. Quando viu tudo desmoronar, Amorim não teve dúvida: atacou os Estados Unidos.

UNESCO
Amorim apoiou para o comando da Unesco o egípcio anti-semita e potencial queimador de livros Farouk Hosni. Ganhou a búlgara Irina Bukova. Para endossar o nome de Hosni, Amorim desprezou o brasileiro Márcio Barbosa, que contaria com o apoio tranqüilo dos Estados unidos e dos países europeus. Chutou um brasileiro, apoiou um egípcio, e venceu uma búlgara.

HONDURAS
O Brasil apoiou o golpista Manuel Zelaya e incentivou, na prática, uma tentativa de guerra civil no país. Perdeu! Honduras realizou eleições limpas e democráticas. Lula não reconhece o governo.

AMÉRICA DO SUL
Países sul-americanos pintam e bordam com o Brasil. Evo Morales, o índio de araque, nos tomou a Petrobras, incentivado por Hugo Chávez, que o Brasil trata como uma democrata irretocável. Como paga, promove a entrada do Beiçola de Caracas no Mercosul. Quem está segurando o ingresso, por enquanto, é o Parlamento… paraguaio!  A Argentina impõe barreiras comerciais à vontade. E o Brasil compreende. O Paraguai decidiu rasgar o contrato de Itaipu. E o Equador já chegou a seqüestrar brasileiros. Mas somos muito compreensivos. Atitudes hostis, na América Latina, até agora, só com a democracia colombiana. Chamam a isso “pragmatismo”.

CUBA, PRESOS E BANDIDOS
Lula visitou Cuba, de novo, no meio da crise provocada pela morte do dissidente Orlando Zapata. Comparou os presos políticos que fazem greve de fome a bandidos comuns do Brasil.

IRÃ, PROTESTOS E FUTEBOL
Antes do apoio explícito ao programa nuclear e do vexame de agora, já havia demonstrado suas simpatias por Ahmadinjead e comparado os protestos das oposições  contra as fraudes eleitorais à reclamação de uma torcida cujo time perde um jogo.

Publicidade