Clique e assine com 88% de desconto
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Para novo presidente do STF, dossiê é “covardia institucional”

Por Dimitri Do Valle, na Folha:O futuro presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, 52, que deve assumir em 23 abril, afirmou ontem que a prática de montagem de dossiês para incriminar adversários representa “covardia institucional”. Falando em tese e dizendo não ter mais dados para analisar o caso envolvendo o gabinete da ministra-chefe […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 22 fev 2017, 23h20 - Publicado em 31 mar 2008, 05h57

Por Dimitri Do Valle, na Folha:
O futuro presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, 52, que deve assumir em 23 abril, afirmou ontem que a prática de montagem de dossiês para incriminar adversários representa “covardia institucional”. Falando em tese e dizendo não ter mais dados para analisar o caso envolvendo o gabinete da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, Mendes afirmou que vazar informações para constranger adversários não “condiz com o Estado democrático de Direito”.
Em entrevista coletiva, o também presidente do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e ex-advogado-geral da União do governo FHC estima que a votação sobre o uso ou não de células-tronco em pesquisas científicas seja retomada em maio. O ministro lançou ontem em Curitiba um livro sobre Direito Constitucional.

PERGUNTA – Como o sr. analisa o caso do dossiê, o que o governo sustenta ser um banco de dados?
GILMAR MENDES –
Até agora, não tenho dados específicos que permitam um juízo seguro. Agora, posso dizer que, se de fato se pratica essa política de levantamentos indevidos de dados ou se pratica o levantamento devido, mas para vazar com esse intuito de dossiê, acho lamentável. Acho que até não é uma prática hoje condizente com os ditames do Estado democrático de Direito. Se há informações relevantes que devem ser reveladas, elas devem ser feitas pelos canais competentes. Agora, fazer vazamentos aproveitando-se de uma posição funcional, ocasional, parece realmente de uma covardia institucional lamentável. Mas estou falando em hipótese.

PERGUNTA – O sr. assumirá o STF num momento considerado importante para a ciência, que é a votação sobre o uso ou não de células-tronco. Como analisa este momento?
MENDES –
É um tema que sensibiliza, como temos visto no próprio debate: os confrontos de posições éticas e religiosas, os avanços científicos, a afetação que a matéria terá sobre as pessoas. Sabemos quantas expectativas há em torno dessa evolução. Quanta esperança há de que muitos problemas possam ser solucionados a partir desses avanços. Acredito que o tribunal considerará tudo isso na sua decisão.
Assinante lê mais aqui

Publicidade