Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Para mulheres

Calma, meninas! É claro que não tomo Rose Marie Muraro como um “pensamento feminino”. E não falo dela ou de Marilena Chaui por machismo. Até porque sou mulherista. Sou casado com mulher, vejam vocês, e tenho duas filhas, de que me orgulho imensamente. E só não há mais filhos aqui porque, bem, vocês sabem, isso […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 23h14 - Publicado em 12 set 2006, 12h30


Calma, meninas! É claro que não tomo Rose Marie Muraro como um “pensamento feminino”. E não falo dela ou de Marilena Chaui por machismo. Até porque sou mulherista. Sou casado com mulher, vejam vocês, e tenho duas filhas, de que me orgulho imensamente. E só não há mais filhos aqui porque, bem, vocês sabem, isso depende de um acordo que até agora não consegui. Se vierem outros, que sejam mulheres, hehe. Eu me interesso pelo universo das mocinhas e gosto de agrado. Já até escrevi: se eu tivesse meninos, imaginem o vexame naquele futebol de pais na escola… Até os bichos de casa são moças: duas cachorras. O peixe e a tartaruga também foram batizados com nomes femininos… Tolice, é óbvio, não é exclusividade de mulher. Se você tiver estômago, basta ler Emir Sader, Marco Aurélio Sargento Garcia, Fábio Konder Comparato, Marcelo Coelho e congêneres… Se há coisa muito bem distribuída entre os vários sexos é a burrice. Em alguns casos, é canalhice intelectual pura e simples, a soldo de partidos e, acreditem, de estatais. Sim, há uma nova modalidade de “intelectuais” brasileiros, homens, que agora são consultores de empresas estatais, até de uma venezuelana… Com direito a carro e motorista. O socialismo de braços dados com o conforto. Assim é que é bom. Nada como defender Cuba sendo elite no Brasil, com a bunda no conforto. Estou na pista. Tendo tudo preto no branco, conto pra vocês. Leiam a coluna de Diogo Mainardi na Veja da semana passada. Olhem lá a macharia toda fazendo o servicinho. Então, meninas, não há perigo de eu tomar Rose Marie Muraro como expressão do “pensamento feminino”. Até porque não acredito em pensamento feminino, literatura feminina, poder feminino. Acredito em pensamento, em literatura, em poder — feito e exercido por homens, mulheres, gays, sapatões e gente que simplesmente prefere laranjada. E à petralhada que está reclamando das minhas fotos: vocês não gostam de mim, mas as moças gostam. Tenho uma aqui, aos 15. Tinha acabado de entrar na Convergência Socialista. Ah, os perigos do mundo… Minha mãe estava quase certa: “Isso não dá camisa pra ninguém”. Para quase ninguém, hehe…
Publicidade