Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Os choques elétricos progressistas de Dilma e Cardozo! São verdadeiros poemas humanistas!

É… Você sabia, leitor, que os 150 homens da Força Nacional (comandados de José Eduardo Cardozo, este impressionante ministro da Justiça) que ocupam, desde maio, o morro do Santo Amaro, no Rio, já empregam contra viciados em crack armas que disparam choques? Eu, confesso, não sabia. Imaginem vocês se, na retomada da área conhecida como […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 07h25 - Publicado em 15 nov 2012, 07h07

É…

Você sabia, leitor, que os 150 homens da Força Nacional (comandados de José Eduardo Cardozo, este impressionante ministro da Justiça) que ocupam, desde maio, o morro do Santo Amaro, no Rio, já empregam contra viciados em crack armas que disparam choques? Eu, confesso, não sabia. Imaginem vocês se, na retomada da área conhecida como “Cracolândia”, em São Paulo, a Polícia Militar tivesse recorrido a esse armamento…

Padre Júlio Lancelotti teria ateado fogo à batina — caso usasse uma. Ministério Público, Defensoria, petistas no geral, todos seriam se unido, com o apoio certo da imprensa, para levar o governo para o banco dos réus. Se bem se lembram, até Maria do Rosário veio dar pitaco em São Paulo. Estaria havendo desrespeito aos… direitos humanos. Defensores chegaram a montar uma espécie de tenda para garantir aos viciados o… direito de ocupar as ruas. A um deles se arranjou até mesmo um habeas corpus preventivo que o protegia de ser abordado pela Polícia…

Vocês sabia, leitor, que o plano do governo federal de combate ao crack prevê a distribuição de armas de choque elétrico – taser — para os policiais? Ocupei-me ontem do mensalão e acabei não dando destaque a essa notícia. Reproduzo o que informou a Folha. Volto depois.

Por Marco Antônio Martins:
As polícias do Brasil terão armas de choque e spray de pimenta para conter dependentes de crack. A distribuição desses dispositivos é uma das ações previstas no programa “Crack, é possível vencer”, do Ministério da Justiça. A utilização de força policial, incluindo armas não letais, para o controle de dependentes é controversa. Em São Paulo, operação iniciada em janeiro por Estado e prefeitura foi criticada por especialistas, que defendiam foco maior em saúde.

A orientação para o uso de armas de choque, chamadas de taser, é da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), ligada ao ministério. Segundo nota da pasta, a intenção é que “os policiais tenham opções menos letais, principalmente para situações em que existem aglomerados de pessoas”. A determinação foi motivada pela portaria 4.226, de 2010, do ministério e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência. A orientação é que as armas sejam usadas só por policiais treinados.

PROGRAMA
Até agora, 12 Estados estão no programa federal, totalizando R$ 62 milhões em recursos. O Rio recebeu mais recursos: R$ 9 milhões. O próximo a aderir deve ser São Paulo. Além de armas, o programa prevê treinamento de policiais e a compra de câmeras para monitorar cracolândias. No Rio, serão treinados 200 policiais. Os equipamentos, 250 armas de choque e 750 sprays de pimenta, já chegaram, segundo a Secretaria de Segurança do Rio.

Em nota, a pasta disse que as armas “serão usadas apenas em caso de extrema necessidade por agentes policiais” e que não há “qualquer estratégia repressiva de tratamento de choque para usuários”. Os 150 homens da Força Nacional que desde maio ocupam o morro do Santo Amaro, zona sul, já usam armas de choque em ações contra viciados.

Voltei
Cadê a gritaria das esquerdas e dos especialistas? Quer dizer que o choque, quando aplicado por “progressistas”, é um poema humanista e, quando aplicado por conservadores, uma prática fascista? Já abordei aqui esta questão muitas vezes: as esquerdas não têm um conteúdo. Elas acreditam ter, isto sim, o exclusivismo moral para fazer uma coisa ou o seu contrário. O importante é demonizar o adversário, faça ele a coisa certa ou errada.

Continua após a publicidade
Publicidade