Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O suposto complô para matar Evo e a tramóia de sempre

Leiam uma notícia da Agência Efe, que está no Estadão On Line. Volto depois:O governo da Bolívia denunciou nesta segunda-feira, 22, a existência de um plano da extrema-direita para que um camponês indígena assassine o presidente Evo Morales em um ato público. O ministro de Governo (Interior), Alfredo Rada, confirmou em entrevista coletiva a revelação […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 18h23 - Publicado em 22 dez 2008, 18h28
Leiam uma notícia da Agência Efe, que está no Estadão On Line. Volto depois:
O governo da Bolívia denunciou nesta segunda-feira, 22, a existência de um plano da extrema-direita para que um camponês indígena assassine o presidente Evo Morales em um ato público. O ministro de Governo (Interior), Alfredo Rada, confirmou em entrevista coletiva a revelação do plano, feita no domingo pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que denunciou que a oposição boliviana deu início a projetos para matar Evo.
“Os organismos de inteligência do Estado receberam informação sobre planos que estariam sendo estudados em relação a um magnicídio, por parte de organizações de extrema direita”, disse Rada. Quando questionado sobre as provas de que dispõe no caso, Rada não quis dar maiores detalhes. Afirmou que uma máxima em matéria de segurança diz: “Quanto menos se souber sobre o muito que se sabe, melhor.”
O ministro assegurou que o plano consiste em que o presidente seja morto, em troca de dinheiro, por “uma pessoa de origem popular ou camponesa”, para “desorientar os serviços de segurança”, já que esses setores integram o “grosso” das bases de apoio a Evo.
Também declarou que o local previsto para o crime seria o oeste do país ou a província cocaleira de Chapare (centro), onde estão concentradas as maiorias indígenas da Bolívia, setor no qual o presidente tem um apoio quase unânime.
Segundo Rada, uma vez realizado o magnicídio, este seria justificado com a alegação de que “o presidente teria traído as bases sociais camponesas que o levaram ao poder ao ter impulsionado acordos com a direita”. O ministro comentou que “foram redobrados os esforços de segurança do líder” pelo menos desde o último sábado.

Comento
Só falta agora a segunda parte da tramóia chavista-evista: uma onda de repressão interna e medidas excepcionais, que garantam ainda mais poder a Evo Morales — medidas que, depois, se tornariam permanentes. Trata-se de uma piada grotesca, com roteiro velho.

A ditadura cubana denunciou centenas de planos da CIA para matar o facínora Fidel Castro. Pode até ter havido ou outro, mas a maioria era uma mentira inventada pelo próprio tirano para ter desculpas para fechar cada vez mais o regime. Ademais, a sua dita “sobrevivência” a diversos complôs servia também para criar o mito do super-homem… cubano!!! A CIA costuma ser muito incompetente, mas nem tanto…

Assim agem os tiranos. Com que então um complô para matar Evo foi denunciado antes por Hugo Chávez!? E como é que ele sabia? Ainda que fosse verdade, isso quereria dizer que a Bolívia está sendo co-administrada pelo bandoleiro da Venezuela — isso na melhor das hipóteses. Na pior, Evo é só um boneco do chavismo. E ficará vivo enquanto interessar aos planos do coronel maluco. Por que não assassinar esse índio de araque e jogar a culpa “na direita”? Evo é só um símbolo dos vários matizes de esquerda que chegaram ao poder na Bolívia. Cedo ou tarde os esquerdistas se indispõem com populistas como ele.

Impressiona a regressão política por que passa o continente. Complô para matar Evo??? Cadê os responsáveis? Cadê o decido processo legal para puni-los? Não se tem nada. Só mais uma desculpa para caminhar rumo à ditadura.

Continua após a publicidade
Publicidade