Clique e assine com até 92% de desconto
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O BRASIL PRECISA PARAR DE MATAR PESSOAS E A LÓGICA! OU: ZÉ DIRCEU, COORDENADOR DE DILMA, COMO SEMPRE, ESTÁ ERRADO!!!

Caros, leiam com atenção o que vai abaixo. Acho que há algumas revelações aí — como sempre, estou revelando o óbvio, escondido nas trevas da mistificação. Defendi ontem aqui a criação do Ministério da Segurança Pública, proposta apresentada pelo pré-candidato tucano à Presidência da República, José Serra. Afirmei que São Paulo tem uma história de […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 15h26 - Publicado em 29 abr 2010, 07h53

Caros, leiam com atenção o que vai abaixo. Acho que há algumas revelações aí — como sempre, estou revelando o óbvio, escondido nas trevas da mistificação.

Defendi ontem aqui a criação do Ministério da Segurança Pública, proposta apresentada pelo pré-candidato tucano à Presidência da República, José Serra. Afirmei que São Paulo tem uma história de êxito — única!!! — na redução do número de homicídios. Mais ainda: para desagrado das esquerdas botocudas, sustentei que NÃO há uma relação de causa e efeito entre pobreza e violência. Não há também uma relação causal entre maior ou menor distribuição de renda e criminalidade. É preciso distinguir correlação e causalidade.

E o que me leva a fazer tais afirmações? Olhem: em primeiro lugar,  é uma questão de ordem moral, que independe de números: só é bandido quem quer, pouco importam as tais condições sociais. Só os bananas que conhecem o povo de ouvir falar sustentam que pobreza predispõe ao crime. Isso, sim, é uma escolha. E essa minha convicção está ancorada em números. No fim do mês passado, foi divulgado o Mapa da Violência (íntegra aqui). Esse trabalho faz uma anatomia dos homicídios no Brasil com dados coletados no país inteiro e é publicado desde 1998. Os dados mais recentes vão até 2007. Trata-se de um trabalho sério, respeitado por todas as pessoas que lidam com essa questão.

Dêem uma olhada na tabela abaixo. A variação percentual que aparece em vermelho com o sinal “+” indica aumento de homicídios. A que aparece em azul, com o sinal “-“,  diminuição. Vejam com atenção. Deu um trabalho dos diabos. Mas o que eu não faço por vocês???  Volto sem seguida.

MORTOS POR CEM MIL HABITANTES

ESTADO 2002 2007 VARIAÇÃO
Acre 25,7 18,9 -26,4%
Amapá 35,0 26,9 -23,1%
Amazonas 17,3 21,0 +21,3%
Pará 18,4 30,4 +65,2%
Rondônia 42,3 27,4 -35,2%
Roraima 34,9 27,9 -20,0%
Tocantins 14,9 16,5 +10,7%
REGIÃO NORTE 21,7 26,0 +19,8%
Alagoas 34,3 59,6 +73.7%
Bahia 13,0 25,7 +97,7%
Ceará 18,9 23,2 +22,7%
Maranhão 9,9 17,4 +75,7%
Paraíba 17,4 23,6 +35,6%
Pernambuco 54,8 53,1 -03,0%
Piauí 10,9 13,2 +21,1%
Rio G. do Norte 10,6 19,3 +82,0%
Sergipe 29,7 25,9 -12,8%
REGIÃO NORDESTE 22,4 29,6 +32,4%
Espírito Santo 51,2 53,6 +04,7%
Minas Gerais 16,2 20,8 +28,4%
Rio de Janeiro 56,5 40,1 -29,0%
São Paulo 38,0 15,0 -60,5%
REGIÃO SUDESTE 36,8 23,0 37,5%
Paraná 22,7 29,6 +30,4%
Rio G. do Sul 18,3 19,6 +07,1%
Santa Catarina 10,3 10,4 +01,0%
REGIÃO SUL 18,3 21,4 +16,9%
Distrito Federal 34,7 33,5 -3,4%
Goiás 24,5 24,4 -0,4%
Mato Grosso 37,0 30,7 -17%
Mato G. do Sul 32,4 30,0 -7,4%
REGIÃO C. OESTE 30,4 28,4 -6,5%
BRASIL 28,5 25,2 -11,57%
Fonte – SIM/SVS/MS

O trabalho não faz o cotejamento dos números de 2002 com os de 2007 — os últimos disponíveis. Esse cruzamento é meu, extraído do quadro geral que traz dados desde 1997. Já há, pois, uma série histórica de dez anos. Sim, fiz tal comparação porque quis saber o que aconteceu com o número de homicídios em cinco anos de governo Lula, aqueles da grande revolução como “nunca antes na história destepaiz”. Escolhi tal cruzamento de dados também porque o presidente da República já disse em mais de uma oportunidade que prefere fazer escolas a fazer presídios, como se fossem coisas excludentes ou permutáveis. Não só isso: já afirmou que o que faltou ao bandido foi oportunidade, por culpa, claro!, de todos os governos que o antecederam.

Vejam lá a última linha da tabela. Entre 2002 e 2007, houve uma queda de 11,57% no número de homicídios por cem mil habitantes. QUEM PODE SE ORGULHAR DISSO? RESPONDO: SÃO PAULO!!! Vamos ver.

Distribuição de renda e violência
Vejam a tragédia da violência no Nordeste. Dos nove estados, houve uma pequena redução de homicídios em Pernambuco (embora os números do Estado sejam escandalosos) e no Sergipe. Nos demais, o número de homicídios teve um aumento brutal. Na Bahia, Maranhão, Rio Grande do Norte e Alagoas, o crescimento é escandaloso. Das 27 unidades da federação, houve uma redução — no mais das vezes, pequena — em apenas 12.

Então a economia não cresceu no período, especialmente no Nordeste? Não é esta a região que concentra hoje o maior número de beneficiários do Bolsa Família? Há dados que chegam a ser desmoralizantes para os trouxas que pretendem vincular maior crescimento da economia e maior assistencialismo à redução da violência. Querem ver?

Peguemos o caso da Bahia entre 1997 e 2002, aquele tempo em que, segundo Lula, não havia Brasil. Em 1997, o estado teve 15,5 mortos por 100 mil; em 2002, 13. Redução de 16%. Durante a revolução lulista, o número saltou para 25,7 por 100 mil: aumento de 97,7%!!! Será que o crescimento e o assistencialismo fazem crescer o número de homicídios? Ora, não sejamos estúpidos!

Os números demonstram de forma cabal que não há uma relação de causa e efeito entre crescimento e distribuição de renda e violência — e o homicídio é certamente a sua pior manifestação não é mesmo?

E São Paulo?
Agora vejam o que aconteceu com o estado de São Paulo nesse período — informação que boa parte da imprensa paulista preferiu omitir editorialmente. O que é uma omissão editorial? Publicam-se os dados de modo quase clandestino, sem dizer ao leitor o que eles significam ou implicam.

Continua após a publicidade

Entre 2002 e 2007, o número de homicídios no Estado caiu espetacularmente: nada menos de 60,5%! Há apenas dois estados em que se matam menos pessoas por 100 mil habitantes do que São Paulo: Piauí e Santa Catarina — e, ainda assim, são números de 2007. Eles melhoraram um pouco depois disso. Só para lembrar: no lançamento de sua pré-candidatura ao governo do estado, Aloizio Mercadante apontou como um dos grandes problemas da “herança tucana”, acreditem, a segurança pública.

Vejam de novo a tabela lá do alto. Dada a população de São Paulo, a redução do número de homicídios no Brasil como um todo se deve exclusivamente à fantástica diminuição do número de homicídios no Estado governado há 16 anos pelo… PSDB, que Lula, Dilma e os petistas de maneira geral dizem ter sido o grande flagelo do Brasil. Vejam estes quadros:

RANKING DOS ESTADOS EM MORTOS POR 100 MIL HABITANTES

tabela-vale1

RANKING DAS CAPITAIS EM MORTOS POR 100 MIL HABITANTES

tabela-cidades

O Estado, como vocês viram, está em 25º lugar, e a capital paulista em 26º, numa lista de 27 unidades. É preciso fazer baixar esse número? É, sim. Mas São Paulo tem um exemplo a dar ao Brasil nesse particular. Se a economia cresceu no Brasil inteiro, especialmente no Nordeste, alvo preferencial dos programas assistenciais, o que explica a explosão de violência em alguns lugares e a estupenda redução em outro?

A resposta é simples e muito complicada: uma polícia eficiente no trabalho de prevenção e de repressão ao crime. São Paulo tem 21% da população brasileira, mas quase 40% dos presos. Por que houve uma redução tão grande de homicídios nesse período? O que vocês me dizem destes números? Em 2001, havia no Estado 67.649 presos; em 2006, eles eram 143.310 — mais do que o dobro. Será que há mais bandidos aqui no que no resto do Brasil? Sim! Há mais bandidos PRESOS — e, por isso, há menos homicidas soltos por aí.

E notem: a redução do número de homicídios não se deu apenas nesta relação por 100 mil habitantes, não! Houve uma fantástica diminuição em números absolutos mesmo: de 14.494 pessoas assassinadas em 2002 para 6.234 em 2007 — 57% menos!!!

Vença quem vencer, a experiência de São Paulo tem de ser considerada pelo resto do Brasil no que diz respeito ao combate aos homicídios. É inaceitável que se mate em Alagoas quatro vezes o que se mata em São Paulo — três vezes e meia no Espírito Santo e em Pernambuco, 2,6 vezes no Rio… Dêem uma boa razão para o Distrito Federal estar em quinto lugar nesse ranking macabro! Vença quem vencer??? O diabo é que os petistas já deixaram claro que têm outro entendimento do problema. Mais de 20 mil vidas seriam poupadas todo ano no Brasil se os índices de São Paulo vigorassem no Brasil como um todo.

Concluo
Um país que mata 50 mil pessoas por ano vive uma realidade escandalosa. Está evidenciado que esse número não depende de mais ou de menos crescimento, de mais ou de menos distribuição de renda. Nesse caso, o que garante a vida dos brasileiros é uma política adequada de segurança pública.

Um tanto atrapalhados com o desempenho de sua candidata à Presidência, os petistas decidiram sair atirando. Ontem, José Dirceu — aquele que o Procuradoria Geral da República acusa de ser chefe da quadrilha do mensalão — afirmou que a proposta de criar o Ministério da Segurança Pública é coisa “de direita”. Dirceu, pelo visto, quer a continuidade, então, nessa área, de uma política que ele deve chamar de “esquerda”. Vai ver é mesmo. As esquerdas são especialistas em morte. Sempre foram.

Dirceu está entre os que querem a continuidade. A continuidade, na política de segurança, mata 50 mil brasileiros todos os anos.

Continua após a publicidade
Publicidade