Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O Brasil ainda vai liberar a maconha e a cocaína e proibir o biscoito de chocolate

Ai, ai… Mais tarde, escrevo um pouco mais a respeito, mas anotem aí: o Brasil ainda vai librar a maconha e a cocaína e proibir o biscoito de chocolate… Leiam o que informa o Estadão. Para quase 80% dos pais, propaganda de alimentos prejudica as crianças Por Karina Toledo, no Estadão: Quase 80% dos pais […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 11h50 - Publicado em 30 Maio 2011, 06h33

Ai, ai… Mais tarde, escrevo um pouco mais a respeito, mas anotem aí: o Brasil ainda vai librar a maconha e a cocaína e proibir o biscoito de chocolate… Leiam o que informa o Estadão.

Para quase 80% dos pais, propaganda de alimentos prejudica as crianças

Por Karina Toledo, no Estadão:
Quase 80% dos pais de crianças de até 11 anos acreditam que a publicidade de fast food e outros “alimentos não saudáveis” prejudica os hábitos alimentares de seus filhos. Os resultados são de pesquisa do Instituto Datafolha feita com 596 pessoas de todo o País.

Os entrevistados também afirmam que esse tipo de propaganda dificulta os esforços para ensinar os filhos a ter uma alimentação saudável (76%) e leva as crianças a amolar os pais para que comprem os produtos anunciados (78%).

O levantamento foi encomendado pelo Instituto Alana, ONG que luta pela regulamentação da publicidade dirigida à criança. Isabela Henriques, coordenadora do projeto Criança e Consumo, explica que foram considerados como “alimentos não saudáveis” aqueles com alto teor de gordura, sódio ou açúcar.

“Estamos vivendo uma epidemia de obesidade e existe um esforço da sociedade para ensinar as crianças a se alimentarem melhor”, afirma Isabela. Mas a indústria de alimentos, diz ela, vai na contramão ao estimular as crianças a consumir produtos ricos em calorias e pobres em nutrientes. “A pesquisa mostra que os pais estão pedindo ajuda. Sozinhos, não conseguem frear esse bombardeio.”

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) discute desde 2006 a regulamentação da publicidade de alimentos não saudáveis. No ano passado, a agência publicou uma resolução determinando que esse tipo de propaganda fosse acompanhado de alertas para possíveis riscos à saúde, no caso de consumo excessivo. Mas essa regra foi suspensa graças a uma liminar concedida pela Justiça Federal em favor da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).

O presidente da Abia, Edmundo Klotz, afirma que “discutir a publicidade de alimentos é uma coisa do passado”. A indústria, diz ele, está trabalhando para deixar seus produtos mais saudáveis em vez de discutir teorias. “Praticamente eliminamos a gordura trans. Agora estamos reduzindo o teor de sódio. Até 2020, devemos atingir um ideal de “saudabilidade””, diz. Mas Klotz não comenta como deveria ser publicidade de alimentos até que esse “ideal” seja atingido.

Carlos Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública da USP, explica que “por mais que você substitua a gordura trans de uma barra de cereal por gordura saturada, ela ainda terá grande densidade energética”. O pior, continua, é que as pessoas acabam substituindo uma fruta por esse tipo de industrializado supostamente saudável. Aqui

Continua após a publicidade
Publicidade