Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Na Saúde, o PT não tem remédio

Noticiei aqui no blog, no dia 4 de junho, que o governo brasileiro quer forçar a indústria farmacêutica brasileira a produzir remédios em… Cuba — e, de lá, exportar para a América Latina e Caribe, inclusive o Brasil. É o PAC da Dilma: o Plano de Ajuda a Cuba! Se a coisa prosperar, ela passará a […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 03h40 - Publicado em 13 jun 2014, 04h49

Noticiei aqui no blog, no dia 4 de junho, que o governo brasileiro quer forçar a indústria farmacêutica brasileira a produzir remédios em… Cuba — e, de lá, exportar para a América Latina e Caribe, inclusive o Brasil. É o PAC da Dilma: o Plano de Ajuda a Cuba! Se a coisa prosperar, ela passará a exportar empregos e divisas… É o fim da picada!

Muito bem! Em artigo publicado na Folha de hoje, o ex-governador e ex-ministro da Saúde José Serra afirma que o governo do PT está tentando dar um outro golpe nos genéricos. Leiam trecho:

(…)
Mais ainda, recentemente houve uma tentativa de ataque final aos genéricos. Para compreendê-la é preciso saber que há três tipos de medicamentos no Brasil: o produto de referência (por exemplo, Nexium) e seu clone, o genérico (esomeprazol…). E existe também o “similar”, que tem nome-fantasia –por exemplo, Doril, que mistura aspirina com cafeína– e não tem equivalência com os produtos de marca. Os similares são objeto de promoções de venda, incluindo as amostras grátis para médicos. Pois bem: a ideia petista foi obrigar os similares a fazerem os testes de equivalência, mas mantendo seu nome-fantasia.

Esse modelo, que seria inédito no mundo, acabaria destroçando os genéricos, dadas as diferentes condições de concorrência e a confusão na cabeça dos consumidores. Na embalagem, os similares equivalentes teriam um carimbo: “EQ”, criado pelo PT, para disputar com o “G” dos genéricos e embelezar as campanhas eleitorais do João Santana.

Alguém duvida que uma das tarefas difíceis, mas prioritárias do próximo presidente, havendo a alternância de poder, será desfazer os nós das agências reguladoras, hoje capturadas e pervertidas pelo método petista de governar?

Continua após a publicidade
Publicidade