Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Minha coluna na Folha: “Declaração de voto”

Leiam trechos. Você não sabe em quem votar? Eu sei. Mas reconheço o seu direito a uma escolha, e, caso o seu voto não coincida com o meu, não vou pedir demissão da Folha (ahhh!!!!) nem sair por aí voando na vassoura da impostura, como Marilena Chaui, chamando-o, por isso, de ignorante. A democracia existe […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 02h50 - Publicado em 17 out 2014, 05h03

Leiam trechos.

Você não sabe em quem votar? Eu sei. Mas reconheço o seu direito a uma escolha, e, caso o seu voto não coincida com o meu, não vou pedir demissão da Folha (ahhh!!!!) nem sair por aí voando na vassoura da impostura, como Marilena Chaui, chamando-o, por isso, de ignorante. A democracia existe também para os ignorantes, e ela sabe disso. Os que tentaram civilizar a humanidade segundo suas luzes produziram tiranias e cadáveres.

Vote, por exemplo, na pessoa disposta a não flertar com a inflação. Você é uma pessoa que se preocupa com os pobres. Não é uma escolha ideológica, embora não houvesse mal nenhum em fazê-la. É matemática. Se você achar que é Dilma, então é Dilma; se achar que é Aécio, então é Aécio. Os dois já se disseram contra a inflação. Você tem ainda o direito de votar contra a matemática e os pobres. A democracia é generosa.

Inflação não é tudo, eu sei. Então faça o seguinte: vote em quem não alimenta projetos delirantes de controle da imprensa, com mecanismos paralelos ou oficiais de patrulha e censura. Não é ideologia, mas respeito aos Artigos 5º e 220 da Constituição, que resultou de um processo constituinte democrático. Se é Aécio, então é Aécio; se é Dilma, então é Dilma. Os dois prometem respeitar a liberdade de imprensa.
(…)
Você, como eu, pode estar com o saco cheio da roubalheira organizada e transformada em categoria política (“Rouba, mas produz justiça social”), que é “rouba, mas faz” que deixou a era do produtivismo e aderiu à onda do distributivismo. Se é Dilma que tem menos compromissos com a máquina institucionalizada do assalto aos cofres, seu nome é Dilma. Se é Aécio, então é Aécio. Ambos prometem ser duros com a corrupção.
(…)
Você ainda não escolheu? Seja livre e feliz e mande à merda os que se pretendem donos do seu voto. A democracia permite.
*
Para ler a íntegra, clique aqui

Continua após a publicidade

Publicidade