Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Marta diz que prisão de aliado pode prejudicar sua candidatura

Por Catia Seabra e Natuza Nery, na Folha: A senadora Marta Suplicy (PT-SP) reconheceu ontem a aliados que a prisão de um ex-assessor durante a Operação Voucher da Polícia Federal provoca desgaste na sua candidatura à Prefeitura de São Paulo. Para Marta, a detenção de Mário Moysés, que foi seu assessor na Prefeitura de São […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 11h08 - Publicado em 11 ago 2011, 07h27

Por Catia Seabra e Natuza Nery, na Folha:
A senadora Marta Suplicy (PT-SP) reconheceu ontem a aliados que a prisão de um ex-assessor durante a Operação Voucher da Polícia Federal provoca desgaste na sua candidatura à Prefeitura de São Paulo. Para Marta, a detenção de Mário Moysés, que foi seu assessor na Prefeitura de São Paulo e chefe de gabinete quando ela era ministra do Turismo, entre 2007 e 2008, poderá ser explorada eleitoralmente. “Vamos esperar baixar a poeira. Se já estava difícil antes, imagine agora. Vão explorar à vontade”, afirmou a senadora. A avaliação de Marta sobre os efeitos que a operação da Polícia Federal poderá ter sobre sua candidatura combina com a análise de petistas.

Eles consideram que a senadora está fragilizada no momento em que precisa reunir forças para enfrentar a preferência declarada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela candidatura do ministro da Educação, Fernando Haddad.Abalada, Marta Suplicy chegou a chorar ontem, no café do Senado. Ela reclamou da divulgação da informação de que teria se escondido no banheiro para evitar falar com jornalistas sobre a prisão de Moysés, na terça-feira.

“INACEITÁVEL”
Marta -que anteontem fez declarações à Folha em defesa do ex-assessor- disse que o relato de que ela havia tentado fugir da imprensa é “inaceitável”, arranha sua imagem e não condiz com seu estilo “aguerrido”. A ex-ministra do Turismo protestou na Tribuna da Senado, dizendo-se indignada com a “forma desrespeitosa” com que foi tratada. Em discurso, a senadora disse que foi ao banheiro “após horas presidindo a sessão do Senado”.
“Não fui me esconder no banheiro; fui porque havia uma necessidade de ir ao banheiro. Então, dizer que fui me esconder é inaceitável”, queixou-se ela. Aqui

Publicidade