Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Marketing de Dilma terá de mudar por causa de seu adversário: Lula!

Entrando no terceiro mês de governo, a marquetagem de Dilma vai mudar um tantinho, sem abrir mão da imagem da soberana austera, que toma decisões acima das paixões —  sentimentos extremados são coisa de gente plebéia. A prática em curso tem sido, sim, eficiente. Dilma é considerada uma “grata surpresa”, especialmente por setores da imprensa. […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 20 fev 2017, 17h40 - Publicado em 27 fev 2011, 19h51

Entrando no terceiro mês de governo, a marquetagem de Dilma vai mudar um tantinho, sem abrir mão da imagem da soberana austera, que toma decisões acima das paixões —  sentimentos extremados são coisa de gente plebéia.

A prática em curso tem sido, sim, eficiente. Dilma é considerada uma “grata surpresa”, especialmente por setores da imprensa.  O povão deve continuar satisfeito, apesar do aumento de alguns preços — nada ainda que arranhe a imagem da presidente. Então por que a mudança?

Alguém poderia evocar uma questão de fundo: a economia não vai crescer com o mesmo vigor; a inflação vai incomodar o governo por alguns meses, e Dilma precisa ser menos olímpica. Embora faça sentido, acho que isso é o que menos pesa. O problema me parece outro.

Há uma espécie de vácuo de “liderança popular”, o que eu, cá com os meus valores, tendo a achar positivo. Prefiro um país sem demiurgos. Ocorre que Lula está à espreita. Já lhe devolveram a presidência de honra do PT. Ele é um político apto a falar, opinar, palpitar etc.

Continua após a publicidade

O petismo precisa de um líder que mantenha a sociedade mais ou menos mobilizada contra adversários abstratos: os inimigos do povo, o atraso, as elites, sei lá eu… É preciso falar com as massas. Se Dilma não o fizer — e vai ter de aprender a fazê-lo —, Lula se encarrega da tarefa. Ainda que tomasse um cuidado extremo para não competir com a liderança da presidente, isso aconteceria naturalmente.

Ainda voltarei ao assunto, mas, por ora, sintetizo assim: o marketing de Dilma vai ter de mudar porque, em certo sentido, seu único adversário, hoje, é Lula. Fosse só por causa da oposição, tudo poderia ficar como está.

Publicidade