Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Levy mandou um recado ao PT e ao PMDB. Ou: Da vaidade e da frustração

Pode ter sido uma indisposição gastrointestinal, vinda, assim, de supetão. Pode ter sido uma crise de pressão arterial. Quem sabe uma dor de cabeça… Salvo algum impedimento físico, Joaquim Levy, ministro da Fazenda, não compareceu ao anúncio do corte no Orçamento em razão de uma indisposição política. É sabido que ele queria passar R$ 80 […]

Pode ter sido uma indisposição gastrointestinal, vinda, assim, de supetão. Pode ter sido uma crise de pressão arterial. Quem sabe uma dor de cabeça… Salvo algum impedimento físico, Joaquim Levy, ministro da Fazenda, não compareceu ao anúncio do corte no Orçamento em razão de uma indisposição política. É sabido que ele queria passar R$ 80 bilhões no facão. Como as MPs do ajuste já sofreram alterações, certamente vislumbra a impossibilidade de fazer o superávit primário de 1,2% do PIB.

O gesto pode embutir alguma coisa de cálculo. A esta altura, quem poderia estar aplaudindo e saltitando de felicidade é o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Afinal, não estava ele a pedir a cabeça de Levy na TV, anteontem? Muito bem! Tirem o ministro da equação e vejam o que sobra. Ou o que soçobra, se me permitem o gracejo.

Talvez o ministro esteja a dizer exatamente isto: não está apegado ao cargo; não pertence àquela estirpe que fica de joelhos, se preciso, para manter o posto; não depende da boa vontade deste ou daquele para ter uma existência profissional ou intelectual.

Nessas horas, cabe alguma reflexão. O que faz alguém como Levy servir a um governo e a um eixo de poder que representa tudo aquilo que ele intelectualmente despreza? Eu tenho uma resposta — e não é maldosa, não; trata-se apenas de uma constatação: o nome disso é vaidade intelectual.

Talvez o ministro sinta certo prazer secreto em demonstrar que suas teses estão corretas, e as de seus antípodas, neste e nos governos petistas passados, erradas. Há também o prazer, que sempre sentem as pessoas convictas, de ver triunfar o seu ponto de vista. E pode haver até a vontade genuína de ajudar. São três vertentes, todas benignas, da vaidade.

Mas é claro que também esta depende de circunstâncias objetivas. Se o resultado não aparece, a vaidade dá lugar à frustração decorrente do mau resultado, e o que poderia ser prova da competência de Levy vira evidência de insucesso. Aí, meus caros, qualquer pessoa na sua condição decide pular fora.

Foi o recado que Levy passou hoje a petistas e peemedebistas. Não está apegado ao cargo. Se acham que está ruim com ele, então é o caso de especular qual é a solução sem ele.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s