Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Humorista que imita Dilma é agredido em Búzios por assessor de prefeito, que se mostra condescendente com a violência! É uma vergonha!

Não tinha lido a reportagem do G1 sobre a agressão física de que foi vítima o ator e humorista Gustavo Mendes na cidade de Búzios, no Rio. É claro que se trata de um despropósito. Qualquer que seja o pretexto — político, moral ou religioso —, ações dessa natureza são condenáveis, criminosas. Leiam o texto. […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 03h39 - Publicado em 17 jun 2014, 14h01

Não tinha lido a reportagem do G1 sobre a agressão física de que foi vítima o ator e humorista Gustavo Mendes na cidade de Búzios, no Rio. É claro que se trata de um despropósito. Qualquer que seja o pretexto — político, moral ou religioso —, ações dessa natureza são condenáveis, criminosas. Leiam o texto. Volto em seguida.

Gustavo Mendes no papel de Dilma: ator foi agredido em Búzios

Gustavo Mendes no papel de Dilma: ator foi agredido em Búzios

O ator e humorista Gustavo Mendes, conhecido principalmente por imitar a presidente Dilma Rousseff em programas como Domingão do Faustão, interrompeu um show em Búzios, na noite de domingo (15), após ter sido agredido no palco. Ele acusa um homem chamado Robinho, secretário-adjunto de Governo da Prefeitura. Na segunda-feira (16), o ator preferiu não conceder entrevistas, mas divulgou uma nota oficial sobre o incidente, ressaltando que nunca havia enfrentado situação parecida. Ele também afirma que recebeu diversas manifestações de apoio e que as agressões, verbais e físicas, podem ser comprovadas por vídeos gravados por outros espectadores do espetáculo. Em nota divulgada também nesta segunda, a Prefeitura de Búzios lamenta o ocorrido na noite de domingo e disse que pediu, previamente, o cuidado especial com o texto teatral para que fosse apresentado em praça pública.

O humorista disse em nota que “O show ‘Mais que Dilmais’ foi contratado pela Prefeitura de Búzios para apresentação durante o evento ‘Búzios Love’, em homenagem ao Dia dos Namorados. Em nenhum momento o contratante informou que o show seria inserido em um evento de uma comunidade religiosa ou solicitou qualquer tipo alteração no texto teatral, o que caracterizaria uma censura prévia e isso não é aceito pelo ator. O espetáculo apresentado e contratado é o mesmo que recebeu aplausos em mais de 200 apresentações realizadas em dezenas de cidades de todo o Brasil, com trechos disponíveis em vários vídeos na internet.

O ator Gustavo Mendes afirma que em 16 anos de carreira nunca foi submetido a tamanha violência e falta de respeito com seu trabalho e reforça que em nenhum momento da apresentação ofendeu qualquer pessoa da plateia, de qualquer idade ou crença, e todas as piadas que faz são sobre uma situação e não uma pessoa específica. No caso específico sobre a apresentação em Búzios, Gustavo brincou com o fato de uma antiga proibição de venda de bebidas alcoólicas em festas religiosas dizendo que foi Jesus quem transformou água em vinho”, diz a nota.

De acordo com a Prefeitura de Búzios, “por se tratar de um show inserido em um evento de uma comunidade religiosa, foi solicitado, previamente, o cuidado especial com o texto teatral para que fosse apresentado em praça pública, evitando ofensas e agressões verbais aos presentes. Porém, no decorrer do evento, em diversos momentos, ocorreram episódios deselegantes e desrespeitosos ao público, incluindo idosos e religiosos”.

Antes de divulgar o comunicado, o próprio Gustavo havia explicado a situação em seu perfil no Facebook. Segundo o comediante, ele brincou ao saber que um padre chamado Ricardo, a quem garante não conhecer, havia proibido o consumo de bebidas alcoólicas em festas religiosas na cidade. Gustavo diz que lembrou então que Jesus havia transformado água em vinho e, em tom de brincadeira, exclamou: “Proibir bebida, ah, vá tomar no … !”.

Continua após a publicidade

O tom da piada teria irritado algumas poucas pessoas presentes, inclusive Robinho, secretário-adjunto de Governo da Prefeitura. Ele e mais dois homens passaram então a agredir Gustavo. O ator diz que foi chutado e precisou sair do palco escoltado por policiais. A maior parte do público, no entanto, condenou a agressão e pediu que o show continuasse.

Segundo a prefeitura, “no intuito de preservar o respeito à família buziana e aos praticantes de diferentes denominações religiosas que têm o direito de serem tratados com dignidade, foi solicitada a retratação, negada pelo artista. Desta forma, devido ao não cumprimento da solicitação, fez-se necessário interromper a apresentação do show”.

“Fui chutado ao sair do palco por um “discípulo” de Padre Ricardo, Robinho, chefe de gabinete. Tenho certeza de que se o padre estivesse no show teria rido junto com a multidão, que logo após o ocorrido bradou em uníssimo ‘Ei, Robinho, vai tomar no c…!’, por livre e espontânea vontade, e como bem disse Padre Ricardo em um de seus sermões ‘A voz do povo é a voz de Deus’, que seja feita a vontade do povo”, escreveu o ator na rede social.

A Prefeitura de Búzios ressaltou em nota que reconhece e respeita os talentos culturais do país e, “buscando a alegria e proporcionar eventos que levem momentos de lazer para a população buziana, procura contratar e valorizar todos os artistas que demonstram interesse em compactuar com este objetivo. Contudo, a proposta do Governo Municipal ao contratar um espetáculo é de entreter todas as famílias moradoras de Búzios, com alegria, mas, acima de tudo, com educação e respeito ao cidadão”.

Gustavo Mendes fez sua primeira aparição na TV Globo como integrante do elenco do programa “Casseta & Planeta”, em 2012. Além de participações no Programa do Jô e no Altas Horas, ele já se apresentou no quadro “Tem Gente Atrás”, no Domingão do Faustão, imitando também as cantoras Maria Bethânia, Alcione e Ana Carolina.

Voltei
É inegável que a Prefeitura de Búzios, sob o pretexto de “respeitar as famílias”, está compactuando com a violência. Eu, por exemplo, sou católico. Tenho todo o direito de não gostar da piada. E tenho, também, todo o direito de ir embora do espetáculo, ora essa!!! Não gostou? Caia fora! Partir para a porrada? É crime!

Se o prefeito concordou com a contratação de Gustavo Mendes, deve conhecer seu trabalho. Não tem o direito de alegar surpresa. Pedir a um artista que mude o seu show para “respeitar as famílias” é pretexto de censor, senhor prefeito André Granado (PSC).

O clima de intolerância alimentado por grupos extremistas e pelo PT — leiam post sobre a lista negra elaborada pelo comando da legenda — está estimulando o pega pra capar. Reitero: todo mundo tem o direito de detestar o que quer que seja. E tem como se manifestar. Porrada não é argumento. Espero que Gustavo processe seus agressores e que evoque a responsabilidade legal também da Prefeitura, com a sua conversinha mole, condescendente com a censura e com a violência.

Continua após a publicidade
Publicidade