Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Hamas rejeita prorrogar cessar-fogo; foguetes atingem Israel antes do fim da trégua; terroristas dizem que vão manter os ataques

Um terrorista do Hamas, com o rosto escondido, apareceu na Al Jazeera, informa o Jerusalem Post, para passar uma instrução aos negociadores palestinos no Cairo: ou Israel aceitava todas as condições do grupo para suspender os ataques com foguetes, ou eles deveriam abandonar a mesa de negociação. O Hamas exige o fim do bloqueio a […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 03h19 - Publicado em 8 ago 2014, 05h03

Um terrorista do Hamas, com o rosto escondido, apareceu na Al Jazeera, informa o Jerusalem Post, para passar uma instrução aos negociadores palestinos no Cairo: ou Israel aceitava todas as condições do grupo para suspender os ataques com foguetes, ou eles deveriam abandonar a mesa de negociação. O Hamas exige o fim do bloqueio a Gaza e a libertação de pessoas ligadas ao grupo que foram presas na Cisjordânia em conflitos recentes. Não só isso: agora quer tambémconstruir um porto e um aeroporto. E tudo, claro!, sem se desarmar e sem mudar o seu programa, que prevê, como é sabido, a destruição do estado israelense. E aí… Vocês acham que Israel deveria topar essa conversa? Ou por outra: para suspender seus ataques com mísseis, o Hamas exige que o inimigo lhe franqueie condições de se fortalecer ainda mais, para voltar a atacar no futuro com ainda mais violência. É patético!

Os que insistem em transformar Israel no vilão da narrativa se esquecem de que esse Estado existe e existirá sempre, com paz ou com guerra. E, é evidente, a paz é melhor. Já o Hamas só existe porque a guerra existe. Sem ela, o que seria dele? É preciso dar uma resposta a essa pergunta caso se queira fazer uma abordagem honesta da questão.

Digamos, só para efeitos de pensamento — não é a minha proposta para a região — que Israel aceitasse voltar às fronteiras anteriores a 1967, com a criação do Estado palestino. O Hamas aceitaria? Deixaria de existir? O movimento se autodissolveria e se dedicaria, então, a governar o novo Estado, tentando garantir o bem-estar do seu povo? Qualquer pessoa com um mínimo de honestidade intelectual e de informação sabe que a resposta é negativa.

Que se registre: quatro horas antes do fim da trégua, dois foguetes oriundos de Gaza atingiram o território israelense. É assim que negociam os terroristas. O Hamas, que enfrentava crescente rejeição da população de Gaza, promoveu uma grande manifestação pública nesta quinta. Mushir al-Masri, um dos líderes terroristas, contribuiu para a paz com a seguinte fala: “Nossos dedos estão no gatilho, e nossos foguetes estão apontados para Tel Aviv”. O que lhes parece? Musa Abu Marzouk, outro representante do grupo, escreveu o seguinte no Facebbok: “A única garantia são as armas da resistência”.

Continua após a publicidade

Negociadores de Israel afirmaram que o país aceitaria, sim, prorrogar por mais 72 horas a trégua, conforme propôs o Egito, mas o Hamas recusou. E ainda anunciou que nem todos os seus túneis foram destruídos. Então tá. No atual estágio, o mais provável é que a guerra continue. Daqui a pouco, os cínicos e oportunistas começarão a derramar suas lágrimas de crocodilo pelas crianças palestinas. É claro que a morte de inocentes é um horror. É claro que é uma tragédia. Só que é preciso deixar claro quem são seus assassinos: os terroristas do Hamas e da Jihad Islâmica.

O terrorismo se fortalece com o sangue dos inocentes. Precisa vampirizar o povo palestino para que possa existir.

Publicidade