Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Fraude de R$ 2,5 bilhões no Banco Panamericano. Probleminha: a Caixa Econômica Federal comprou 35% da instituição no ano passado

Leiam o que informa o Estadão. Volto em seguida: O Grupo Silvio Santos anunciou na noite desta terça-feira, 9, um aporte de R$ 2,5 bilhões no Banco Panamericano, do qual é o principal acionista, com recursos emprestados pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O objetivo foi cobrir um rombo de R$ 2,5 bilhões descoberto cerca […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h40 - Publicado em 9 nov 2010, 21h10

Leiam o que informa o Estadão. Volto em seguida:
O Grupo Silvio Santos anunciou na noite desta terça-feira, 9, um aporte de R$ 2,5 bilhões no Banco Panamericano, do qual é o principal acionista, com recursos emprestados pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O objetivo foi cobrir um rombo de R$ 2,5 bilhões descoberto cerca de um mês atrás pelo Banco Central, segundo o Estado apurou. Segundo pessoas que acompanham o processo, o rombo é resultado de ativos e créditos fictícios registrados por diretores do Panamericano supostamente para inflar os resultados da instituição.

A operação de empréstimo junto ao FGC foi fechada no último fim de semana, depois que os técnicos do BC conseguiram dimensionar o tamanho do rombo. A fraude passou despercebida pelos controles internos do Panamericano, por auditores independentes e até pelo pente fino da Caixa Econômica Federal, que, no ano passado, comprou 35% do capital total do Panamericano.

Comento
Pois é… A Caixa Econômica Federal desembolsou R$ 739,2 milhões por 35% das ações do Panamericano, operação que começou no ano passado e que teve a benção final do Banco Central há quatro meses. E agora se descobre uma fraude de R$ 2,5 bilhões? Porque estamos falando é disto mesmo: fraude. O montante é pequeno para criar qualquer instabilidade na área, mas estamos falando de uma bolada. Que diabo de rigor é esse usado pela CEF para comprar a sua participação em bancos privados?

Publicidade