Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

FARSA – Dilma e outros petistas querem usar bomba contra Instituto Lula para atacar ato do dia 16 em favor do impeachment. Isso, sim, é terrorismo!

Os petistas estão de tal sorte perdidos e de tal modo se descolaram da realidade brasileira que já não medem mais as consequências das coisas que enunciam. E, por óbvio, sem querer ser tautológico, as falas são tão mais irresponsáveis quanto mais altas são as responsabilidades dos que lançam bobagens ao vento. A começar da […]

Os petistas estão de tal sorte perdidos e de tal modo se descolaram da realidade brasileira que já não medem mais as consequências das coisas que enunciam. E, por óbvio, sem querer ser tautológico, as falas são tão mais irresponsáveis quanto mais altas são as responsabilidades dos que lançam bobagens ao vento. A começar da presidente da República.

Na quinta à noite, um artefato explosivo, de fabricação caseira, foi jogado na calçada do Instituto Lula, em São Paulo. A explosão chegou a danificar um portão. É coisa de bandido? É claro que é. As polícias, inclusive a Federal, têm de investigar para tentar chegar aos responsáveis? É evidente! E em os encontrando? Que sejam punidos segundo os rigores da legislação — não dará para enquadrá-los numa lei de combate ao terrorismo porque o PT nunca aceitou que se votasse uma.

É tolice ter de declarar que se trata de um ato condenável, tão explicitamente condenável ele é. Mas daí a ver no episódio a escalada da intolerância, como fez a presidente Dilma, segundo quem o ato poria em risco até a democracia, bem, há aí a diferença que vai do óbvio à estultice. Afirmou a governanta no Twitter: “A intolerância é o caminho mais curto para destruir a democracia. Jogar uma bomba caseira na sede do Instituto Lula é uma atitude que não condiz com a cultura de tolerância e de respeito à diversidade do povo brasileiro”.

Ai, ai… Mais um pouco, a presidente recupera a retórica das catacumbas da ditadura, quando se assegurava: “Os subversivos são portadores de uma ideologia exógena, contrária à índole pacífica e ordeira do povo brasileiro”…

É claro que os vagabundos que praticaram aquele ato, se presos, têm de ser punidos, mas a presidente também poderia dar um exemplo. Volta e meia, ela faz alusão a seu passado de membro de grupos que praticavam ações terroristas. Naquele caso, as bombas não eram tão primitivas e matavam mesmo. Nunca vi um mea-culpa presidencial. Ao contrário: Dilma empresta aquelas jornadas ares de heroísmo e diz até que aqueles grupos defendiam a democracia, o que é uma mentira objetiva.

Jaques Wagner
Jaques Wagner, nada menos do que ministro da Defesa, resolveu engrossar o coro dos insensatos — e olhem que o homem é apontado como alternativa moderada entre os petistas. Não só decidiu emprestar à coisa um peso político que nem sabe se tem como aproveitou para fazer politicagem, criticando a Polícia Civil de São Paulo.

No sábado, o homem que, na prática, é chefe das três Forças Armadas e a cargo de quem estaria a defesa da nação afirmou: “Eu acho que [o ataque] é grave e acho que foi pobre a afirmação da Polícia Civil de São Paulo porque não se trata de ter sido alguém organizado ou não”.

Explico. A Polícia Civil de São Paulo, de forma prudente, disse trabalhar com todas as hipóteses, inclusive a de que seja um ato de vandalismo. É o certo. Mas Wagner exige que o PT seja hoje tratado como vítima de uma ação organizada, de caráter político e ideológico. Ele quer porque quer empregar a palavra “terrorismo”. Disse: “Está se criando um clima no país em que alguém se acha no direito, seja ele quem for — pode ser um cidadão comum —, de chutar as costas do prefeito de Maricá (RJ) ou de botar uma bomba explicitamente no local de trabalho de um [ex-presidente]. Isso é inadmissível para qualquer um, porque o terrorismo é a pior forma de se trabalhar as diferenças”.

Calma! A coisa não parou por aí. O ministro procurou associar a bomba caseira aos que defendem o impeachment de Dilma. Leiam: “A tentativa de quebra da regra da naturalidade da democracia é que eventualmente embala loucos como esse que jogou a bomba. Porque outros, sem serem loucos iguais [ao que arremessou o artefato], [o] embalam”.

Ah, entendi. Então defender o impeachment da presidente e convocar uma manifestação, como a do dia 16 de agosto, predisporia loucos a jogar bombas caseiras… O país fez o maior protesto político de sua história no dia 15 de março deste ano, e não se teve notícia de um só incidente. Rui Falcão, presidente do PT, estava com Wagner e também criticou a Polícia de São Paulo, chamando o episódio de  um “ato de violência contra a maior liderança que o país já produziu”. Ah… Se Lula fosse apenas a quinta maior liderança, talvez a bomba fosse menos grave.

Discurso terrorista
Terrorista é o discurso dos petistas, inclusive o da presidente da República. Pra começo de conversa, faz uma brutal diferença um ato dessa natureza ter sido praticado por um grupo organizado ou por um delinquente qualquer. Se um ministro da Defesa não tem essa clareza, melhor fazer outra coisa. Aliás, Wagner ser titular da pasta é um escárnio. Com que conhecimento de causa?

Lamento adicionalmente, diga-se, que ele não tenha censurado seus pares de partido que dizem que o antipetismo é coisa tão grave como o antissemitismo. Wagner estaria moralmente obrigado a tratar do assunto: por ser petista, por ser ministro da Defesa e por ser judeu.

Em segundo lugar, ainda que ato terrorista fosse, o que isso teria a ver com os que convocaram as marchas em favor do impeachment para o dia 16? Todos os grupos que se ocupam da convocação e da organização dos eventos têm sólidos compromissos com a democracia, rejeitam a violência de qualquer natureza e defendem o império da lei.

Dilma, Wagner e Falcão precisam ser mais responsáveis. Até porque há uma questão de natureza lógica: se ações contra o PT servirão de pretexto para atacar os que protestam contra Dilma, a melhor maneira de transformar em vilões os que o fazem é praticando ataques contra o PT. Aí a a gente é logicamente obrigado a trabalhar com a hipótese de que, na raiz de um ataque como aquele, podem estar justamente os adversários do impeachment, não é mesmo?

Odorico Paraguaçu mandava pichar nos muros de Sucupira “Odorico é ladrão” quando queria baixar o porrete na oposição.

O Brasil não é Sucupira, Dilma!

Texto publicado originalmente à 0h50
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s