Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Exército fecha o cerco a QG dos grevistas na Bahia

Por Cida Alves, na VEJA Online: Os homens do Exército e da Força Nacional fecharam o cerco aos policiais militares grevistas na Bahia. Um grupo de cerca de 300 pessoas está desde segunda-feira acampada dentro do prédio da Assembleia Legislativa do estado, em Salvador, que se transformou no quartel-general dos grevistas. Se na terça o […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 09h34 - Publicado em 8 fev 2012, 14h56

Por Cida Alves, na VEJA Online:
Os homens do Exército e da Força Nacional fecharam o cerco aos policiais militares grevistas na Bahia. Um grupo de cerca de 300 pessoas está desde segunda-feira acampada dentro do prédio da Assembleia Legislativa do estado, em Salvador, que se transformou no quartel-general dos grevistas. Se na terça o acesso era livre para familiares jogarem sacos de comida e para manifestantes prestarem apoio aos grevistas em frente ao prédio, nesta quarta tudo mudou e o clima é de tensão.   O Exército, que ontem tinha 1.000 homens nos arredores da assembleia, hoje tem 1.300. A Força Nacional ontem tinha vinte homens na região, hoje tem quarenta. Eles fizeram barreiras para limitar o acesso da imprensa, de familiares e de manifestantes ao complexo em que fica a assembleia. Jornalistas agora só chegam perto do prédio após autorização dos militares e são acompanhados por eles de perto. Nenhum manifestante ou policial entra ou sai da frente da assembleia.    Por volta das 11 horas, o juiz federal José Barroso Filho chegou ao local e entrou no prédio. De acordo com o líder dos grevistas, Marco Prisco, a presença do juiz foi pedida pelo movimento, para ajudar na negociação. O juiz saiu do local depois de cerca de uma hora, mas não quis falar com a imprensa.   Um grupo de manifestantes que seguia para a assembleia foi barrado na entrada do complexo. Revoltados, eles ameaçam fechar a Avenida Paralela, uma das principais vias de Salvador, que liga o centro à orla, e fazer protestos em frente à emissora de televisão local e ao aeroporto da cidade.   A greve por aumento salarial e pela concessão de gratificações já dura nove dias e provocou uma onda de crimes que já causou mais de 100 assassinatos pela falta de segurança. O governo do estado, que fracassou na terça na negociação para dar fim ao movimento, lançou mão de propagandas no rádio para tentar sensibilizar os grevistas e acalmar os baianos e turistas. Nesta quarta-feira começou a ser veiculado um spot em que o governo explica a proposta feita aos grevistas e declara disposição em negociar.
(…)

Publicidade