Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Ex-presidente da Eletronuclear volta a ser detido em nova operação da PF do Rio

Operação é desdobramento da Lava Jato e cumpre mandados de prisão, condução coercitiva e busca e apreensão no RJ e RS

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 22h20 - Publicado em 6 jul 2016, 10h28

Hoje tem início nova operação da Polícia Federal, conduzida pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. Mirando a Eletronuclear, cerca de 130 policiais cumprem nove mandados de prisão temporária e preventiva e nove de condução coercitiva, além de 26 mandados de busca e apreensão, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul. O ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva, almirante e engenheiro, deixou o cargo no ano passado após ser citado em delações da Lava Jato e chegou a ser preso preventivamente, acusado de receber proprinas de até R$ 4,5 milhões. Othon estava cumprindo prisão domiciliar. Os demais mandados de prisão são de funcionários da estatal.

A nova operação da Polícia Federal chama-se Pripyat e é um desdobramento da 16ª fase da Lava Jato, a Radioatividade. Investiga-se a atuação de um “clube de empreiteiras” no pagamento de propinas ligadas às obras de usinas do complexo Angra 3 que configuram crimes de corrupção, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Eu sempre imagino que a PF tem um departamento só para cuidar dos nomes das ações: Prypiat é o nome do município que foi arrasado pelo desastre da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, e hoje é uma cidade fantasma.

Publicidade