Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Em vez de se desculpar, Geddel chora e comove líderes da base. Ainda acaba virando mártir!

É bom o governo Temer puxar o freio de arrumação; as falas sobre a permanência de Geddel no governo são indecorosas e ficariam bem na boca de Dilma e de Lula

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 21h17 - Publicado em 22 nov 2016, 16h30

E Geddel Vieira Lima chorou.

As pessoas se emocionam pelos motivos os mais estranhos às vezes. Esse é o caso. Ele resolveu transformar numa questão de governo a compra de um apartamento e suas afinidades com o incorporador, pressionou outro ministro de estado e, vendo-se exposto, caiu em lágrimas. O que provocou a solidariedade, leio agora, de seus pares.

Com a devida vênia, não é a primeira vez que Geddel chora em público. E sempre por maus motivos

O deputado recebeu manifestações de solidariedade de líderes da base. A fala mais significativa foi de Jovair Arantes (GO), líder do PTB, que quebro em miúdos — a fala, não o Jovair. Referindo-se a Mercelo Calero, disse:
“Isso é um absurdo o que aconteceu. Precisa dar piti? Por que a palavra do ex-ministro tem mais força que a de Geddel? É uma conversa natural, existente entre políticos. Em qualquer parte do país, político é demandado. O assunto se encerra quando você diz ‘não’”.

Estamos feitos. Rodrigo Maia (DEM-RJ) quer concorrer à Presidência da Câmara contra a letra explícita do Regimento. Jovair é candidato a seu rival.

Um deputado que pleiteia a Presidência da Câmara acha que absurdo é alguém reagir a um assédio daquela natureza, não o assédio em si. Mais: no seu mundo, isso é muito natural.  Para ele, política é isto mesmo: SER DEMANDADO. Mesmo quando as demandas não atendem ao interesse público.

Se o caso vem a público, ele chama de “piti”, como se reagir segundo pede o código de conduta do funcionalismo fosse coisa de gente exótica. Bem, a ser assim, o país precisa de outros exóticos como Calero, não de pessoas corriqueiras, como Jovair.

A ilação de Jovair tem desdobramentos lógicos:
a: segundo ele, bastaria a Calero ter dito “não”. MAS NINGUÉM DEVERIA TER SABIDO;
b: ocorre que, se Calero tivesse dito “sim”, NINGUÉM, OBVIAMENTE, SABERIA.

Para ele, a política se move nas sombras.

Continua após a publicidade

Essa é a República dos compadres, dos companheiros, dos iguais entre si — que é tudo aquilo que o povo já deixou claro que não quer nas ruas. Do ponto de vista dos valores, depôs um governo por isso.

O líder do DEM, Pauderney Avelino (AM), foi um pouco mais ponderado, mas também restam considerações importantes a fazer. Ele reconheceu que Geddel se comportou mal, que encaminhou uma questão de interesse pessoal, mas comete um erro quando diz que “uma questão cartorial” não pode levar um ministro à demissão.

O argumento é ruim. Se quiserem um razoável, eu forneço, sem ferir a ética: “Prevaleceu a decisão técnica. Geddel é importante na articulação política, cometeu um erro, já reconheceu o comportamento inconveniente e merece um voto de confiança”.

OCORRE QUE GEDDEL NÃO RECONHECEU O ERRO!

Aí vem essa conversa, que também se ouviu de Moreira Franco, ora repetida por Pauderney: “Eu não acho que foi uma atitude adequada, mas temos problemas enormes para resolver no país”.

Sempre teremos problemas enormes no país. E estes serão “menos enormes” se os homens públicos não misturarem seus interesses com os do Brasil e se pararem de agir na base do compadrio.

Ou os problemas ficarão, como cantou Tom Jobim, “enormes demais”.

Caça aos políticos
Está em curso um movimento de caça aos políticos e à política. Seus principais agentes hoje em dia são os membros do Ministério Público Federal. Por eles, a política se transforma numa repartição da polícia, e eles, claro!, serão os policiais. E com plenos poderes, sem lei que lhes limite a ação.

Tenho resistido a essa investida autoritária — e isso nada tem a ver com combater ou não a corrupção —, mas, em momentos assim, a gente é tentado a entrar no coro fascistoide contra… a política e os políticos, não é mesmo?

Sim, resisto, porque jamais permito que um cretino paute o meu pensamento. Mas que esses caras não estão entendendo nada, ah, isso não estão!

Continua após a publicidade
Publicidade