Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Eike: de homem de ouro a Geni do Brasil

Ser empresário no Brasil é um inferno. Conhecendo a legislação e as exigências, os empreendedores brasileiros merecem ser alçados ao panteão dos heróis. Se não é poderoso o bastante para ter uma estrutura gigantesca só para cuidar dos nós burocráticos, pode passar boa parte do seu tempo cuidando do emaranhado fiscal, por exemplo — e […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 03h53 - Publicado em 9 Maio 2014, 16h32

Ser empresário no Brasil é um inferno. Conhecendo a legislação e as exigências, os empreendedores brasileiros merecem ser alçados ao panteão dos heróis. Se não é poderoso o bastante para ter uma estrutura gigantesca só para cuidar dos nós burocráticos, pode passar boa parte do seu tempo cuidando do emaranhado fiscal, por exemplo — e pagando impostos.

Quando o capitalismo brasileiro vira papelório no mercado financeiro, no entanto, aí temos amarras de menos. Basta conversar com quem conhece. A frequência com que alguns tubarões lucram milhões — e pode chegar a bilhões, não é? — em razão de informações privilegiadas chega a ser espantosa. É o caso Eike? Não sei. Que se apure. Alguns figurões que andam por aí estariam na cadeia nos EUA há muito tempo.

Antes que prossiga, faço aqui uma ressalva importante. Sinto certo desconforto ao perceber que o antes “homem de ouro” virou a “Geni do Brasil”. É preciso tomar cuidado, sim, para que o ressentimento não seja maior do que o sentido de justiça. Dito isso, sigamos.

Se Eike fez o que não pode, que seja punido. Mas noto que, na relação com o ex-bilionário, muita gente foi enganada mais por si mesma do que por ele, não é? Não entendo nada de petróleo. Não conheço a rotina das apostas nessa área. Mas sempre esteve tão claro para mim que ele havia se tornado multibilionário vendendo esperanças! E não havia ingênuos naquele jogo.

Reitero: isso não exclui eventuais ações ilegais, criminosas etc. Apenas chamo a atenção para o fato de que alguns dos que se querem agora suas vítimas foram também protagonistas. No mais, lei nele!

Continua após a publicidade

Publicidade