Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

E o granma.cu não gostou das eleições – a exemplo de certa imprensa no Brasil

Vejam o que informa a agência EFE. Comento em seguida: A imprensa oficial cubana fez fortes críticas às eleições realizadas no domingo em Honduras, qualificando o processo de “farsa ilegítima”. “Recorde de abstencionismo e repressão brutal caracterizam a farsa eleitoral de Honduras”, disse o jornal “Granma”, porta-voz do governante Partido Comunista. “Alto índice de abstenção, […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 16h19 - Publicado em 30 nov 2009, 15h51

Vejam o que informa a agência EFE. Comento em seguida:

A imprensa oficial cubana fez fortes críticas às eleições realizadas no domingo em Honduras, qualificando o processo de “farsa ilegítima”. “Recorde de abstencionismo e repressão brutal caracterizam a farsa eleitoral de Honduras”, disse o jornal “Granma”, porta-voz do governante Partido Comunista.

“Alto índice de abstenção, falta de legitimidade e transparência, e a brutal repressão do Exército e da Polícia contra a população caracterizaram a farsa eleitoral deste domingo convocada em Honduras pelo regime usurpador de Roberto Micheletti”, disse a publicação.

Já a “Trabalhadores”, da central sindical única da ilha, teve como destaque “Honduras: militarização e abstenção marcam pleito”. “Até agora só países como Estados Unidos, Colômbia, Panamá e Costa Rica expressaram de uma forma ou outra aceitar o resultado das eleições”.

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, que participa da 19ª edição da Cúpula Ibero-Americana, na cidade portuguesa de Estoril, pediu um pronunciamento de rejeição às eleições em Honduras e alertou da ameaça da doutrina militar americana para a América Latina, informou a agência estatal “Prensa Latina”. EFE.

Continua após a publicidade

Comento
O Granma é aquele jornal que os cubanos usam como substituto do papel higiênico — artigo de luxo na ilha. O único lugar de Cuba em que a parte terminal do aparelho digestivo recebe um tratamento à altura do grau de desenvolvimento a que chegou a civilização humana é em Guantánamo, a parte da ilha em que os “moradores” conhecem seus direitos e deveres. E em que há comida farta também. Se vocês querem ler toda a mensagem, já sabem: o endereço eletrônico é
www.granma.cu.

Compreendo que Cuba critique supostos desmandos em eleições. Afinal, eles não sabem por lá o que isso significa porque baniram essa formalidade besta das democracias. Mas o espírito www.granma.cu está presente também na imprensa brasileira. Alguns dos nossos articulistas e editorialistas estão inconformados.  Vêem uma grande ameaça no horizonte. Entendo. A se darem as cosas como se deram em Honduras, o que será do chavismo, não é mesmo?

Encerro com uma frase da página 81 de “Máximas de Um País Mínimo”:

“Não se pode mais aceitar um golpe com tanques, como no passado. Não se pode aceitar um golpe com urnas, como no presente”.

Aí o petralha se assanha, fingindo-se de bípede: “Você está falando do golpe de ontem?” Não! Estou me referindo ao golpe tentado pelo ex-presidente — é o que ele é — Manuel Zelaya.

Continua após a publicidade

Publicidade