Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Dilma fala sobre saúde da criança e da “boneca que vai cuidar da cabeça”. E foi do humor involuntário ao cinismo

No sábado, o programa de Dilma na TV tratou da saúde — e também foi esse o assunto sobre o qual ela falou na entrevista coletiva daquele dia. O vídeo segue abaixo. Se não quiserem ver tudo, recomendo um trecho que é imperdível, entre 4min8s e 5min08s. Isto é Dilma — sem João Santana — […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 14h24 - Publicado em 30 ago 2010, 08h05

No sábado, o programa de Dilma na TV tratou da saúde — e também foi esse o assunto sobre o qual ela falou na entrevista coletiva daquele dia. O vídeo segue abaixo. Se não quiserem ver tudo, recomendo um trecho que é imperdível, entre 4min8s e 5min08s. Isto é Dilma — sem João Santana — tentando expor uma idéia. No trecho, ela explica detalhes de seu programa de atendimento especial a crianças em hospitais. Transcrevo em vermelho:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=1ur6m98vKws?wmode=transparent&fs=1&hl=en&modestbranding=1&iv_load_policy=3&showsearch=0&rel=1&theme=dark&&w=425&h=344]

“Uma das propostas que conjuga, assim, não só, né?, tecnologia de ponta, tecnologia sofisticada para o tratamento da criança, mas também tem um grande nível de humanização, porque eles usam todo o…, toda aquela questão do envolvimento da criança, mostrando que a boneca vai, tamém (sic), cuidar da cabeça, ou, quando a criança é submetida a algum nível de tratamento mais estressante, tomar o cuidado para garantir que, psicologicamente, ela se, enfim, ela tenha um, uma chegada maior a um processo que inclusive é de dor.”

Comento
A gente quase consegue entender o que ela quer dizer. Desde a primeira vez em que vi Dilma falar em público, tive uma certeza: ela está naquela categoria de pessoas que não conseguem fazer a distinção entre o geral e o particular, entre a árvore e a floresta, entre o principal e o secundário.  O que terá ela tentado dizer com “tomar o cuidado para garantir que, psicologicamente, ela se, enfim, ela tenha um, uma chegada maior a um processo que inclusive é de dor”? A fala da boneca que também vai cuidar da cabeça é memória da propaganda dos Laboratórios Fleury…

É, amiguinhos… Dá para entender por que o PAC empacou. Os ministros não entendem o que ela fala.

Continua após a publicidade

E que se note: o seu “Rede Cegonha” (que ela trata como se já fosse um programa do governo federal e não uma proposta de campanha) é cola, sim, da proposta de Serra, que anunciou que estenderá a todo o país o Mãe Paulistana. Mesmo no meio dessa fala tumultuada, a gente entende mais ou menos o que ela quer dizer — e esse é o programa que existe em São Paulo, inspirado numa experiência da prefeitura tucana de Curitiba.

No governo, o PT pegou os programas sociais da gestão anterior e os rebatizou. Desta feita, o partido não esperou nem a candidata ganhar a eleição. Já foi batendo a carteira das propostas alheias ainda na fase da disputa. Na sexta, aliás, Dilma prometeu levar UPAs para todo o Brasil. Na forma como ela anunciou o “programa”, está colando os AMEs (Ambulatório Médico de Especialidades), que existem em São Paulo e que o tucano afirmou que levara para todo o Brasil se eleito. Também é cola. E essas não são as únicas tungadas dos petistas. Mas isso fica para outra hora.

Ali pelo fim da entrevista, Dilma se lembra de que João Santana lhe falou para fazer digressões sobre a sua família, sobre o fato de que vai ser avó. Aos 9min33s, do nada, ela dá uma pausa, fita o vazio, como se ouvisse um ponto eletrônico, e desanda a falar sobre sua experiência pessoal. Bem, notem com que naturalidade, doçura e simpatia ela trata do assunto. E ainda aproveitou para lembrar um “ditado de Minas”, que saiu todo atrapalhado: “Barriga de mulher, boca de urna e cabeça de juiz, ninguém controla”. Huuummm. Por que o ditado? Também não ficou claro. Eu conheço uma outra versão: “De barriga de grávida, bolsa de mulher e cabeça de juiz, ninguém sabe o que pode sair”. Dilma talvez tenha se mancado que não seria muito lisonjeiro com os meritíssimos…

Uma repórter pergunta à candidata do PT sobre o Mãe Paulistana, lembrando que Serra a acusou de copiar o seu projeto, o que é verdade. E o que disse Dilma Rousseff, a candidata do PT, aquela que pretende substituir Lula, o homem do “nunca antes na história destepaiz”? Isto:
“Esta mania de as pessoas se adonarem de projetos que estão em curso no Brasil é errado”!!!

A entrevista, até ali, era só engraçada. Aí ficou cínica. Como se sabe, Lula jamais “se adonou” de programas que outros lançaram… Não demora, e os petistas ainda vão dizer que criaram o Plano Real!!!

Continua após a publicidade
Publicidade