Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Dilma e a entrevista do SBT: erro de matemática, erro de gramática, erro factual, erro de lógica, erro de edição…

Quer uma entrevista com a Dilma, leitor? Ligue lá no Palácio. Ela concede. Ela está doida pra falar. É a orientação que deve ter recebido de sua assessoria de comunicação. Ontem, sem previsão na agenda — de surpresa, é mais gostoso! —, ela concedeu uma entrevista ao Jornal do SBT. Houve muitos momentos de humor […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h43 - Publicado em 13 ago 2015, 02h55

Quer uma entrevista com a Dilma, leitor? Ligue lá no Palácio. Ela concede. Ela está doida pra falar. É a orientação que deve ter recebido de sua assessoria de comunicação.

Ontem, sem previsão na agenda — de surpresa, é mais gostoso! —, ela concedeu uma entrevista ao Jornal do SBT. Houve muitos momentos de humor involuntário. Os vídeos estão no YouTube. Mas há um que merece transcrição para, como se diz, entrar nos anais…

As falas seguem em vermelho. Comento em azul.

ENTREVISTADOR – O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, votou, em regime de urgência, contas de outros governos que estavam paradas havia 20 anos. Claramente, está abrindo caminho para tentar analisar as contas da senhora do ano passado. Já deixou correr prazo para pedidos de abertura de processo de impeachment. Na semana passada, na quarta-feira, quando se votou uma Proposta de Emenda Constitucional, 445 votaram a favor. Até o PT não votou com o governo. Para se abrir um eventual processo de impeachment, é preciso o apoio de dois terços dos 513 deputados, 342. Para evitar, precisa de um terço, 171 deputados. O governo tem força hoje, presidente, caso prospere essa manobra do Eduardo Cunha, para barrar uma votação de um eventual processo de impeachment contra a senhora?

DILMA – Olha, você faz vinte perguntas numa só…

ENTREVISTADOR – E peço para a senhora responder rapidinho…

DILMA – Ah, é… E pede pra mim responder rapidinho. Desigual isso…

O erro de matemática
Vamos começar corrigindo a matemática. De fato, para que se aceite a denúncia contra a presidente — ainda não é o processo de impeachment, o que é votado pelo Senado —, são necessários dois terços dos 513 deputados: 342 votos. Mas está errada a informação de que bastam 171 para barrá-lo. Obtidos os dois terços de “sim”, ainda que todos os outros 171 digam “não”, a presidente será afastada. O número seguro para Dilma é de 172 para cima.

O erro factual
Pode-se gostar ou não de Cunha, mas não houve manobra nenhuma para votar o que quer que seja. Houve apenas cumprimento do Regimento. De resto, é notório que ele segue a pauta definida pelo Colégio de Líderes. Adiante.

O erro de gramática
“Pedir pra mim responder” é, assim, um português um tanto bárbaro. Mas tudo bem. A partir de agora, nada mais vai fazer sentido mesmo. Vamos ver o que respondeu Dilma.

Continua após a publicidade

DILMA – Eu queria te dizer o seguinte: olha, se você olhar para o Congresso, tá?, sempre tem algumas pautas extremamente atraentes. E é compreensível porque o Congresso representa a sociedade…

NESSE PONTO, HÁ UM CORTE NA EDIÇÃO. E VOLTA O ENTREVISTADOR

REPÓRTER – Ou seja: a senhora tem força para a barrar o processo de impeachment?

É um diálogo de surdos. É provável que Dilma estivesse tentando dizer que a “pauta atraente” é aquela que concede aumentos de salário pra galera. Dado o contexto, no entanto, ficou parecendo que a governanta considera que atraente é o impeachment. O que veio depois, sabe-se lá… A resposta deve ter sido de tal sorte incompreensível ou atrapalhada que foi cortada. A pedido de quem? Também é mistério.

O fato é que, quando o entrevistador retoma, a sua fala não se encaixa no diálogo: “Ou seja: a senhora tem força para a barrar o processo de impeachment?”. De onde terá tirado tal conclusão? Não dá para entender. A gente emprega um “ou seja” quando vai dizer de outro modo algo que já foi dito, para tornar a expressão mais clara. Releiam a resposta de Dilma… A ilação que faz o seu interlocutor é um absoluto despropósito, dada a omissão de parte da resposta. Adiante.

DILMA – Não! Eu não vou responder isso [se tem ou não força para barrar um processo de impeachment].

ENTREVISTADOR – Por quê?

DILMA – Eu não vou responder isso porque, quando ocorrer, se ocorrer, a gente conversa sobre. Eu não antecipo situações.

Encerro
É isso aí. Não era para fazer sentido mesmo. O negócio é ocupar espaço na imprensa, especialmente nas TVs, para espalhar a falsa informação de que um eventual processo de impedimento é golpe e rompimento das regras democráticas.

A quem Dilma convence? Dada a frouxidão da fala, nem a si mesma.

Ou seja…

Continua após a publicidade
Publicidade