Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Delta manterá seus contratos com governo, afirma Dnit

Por Dimmi Amora, na Folha: A declaração de inidoneidade da Delta não deverá afetar quase nenhum dos seus cem contratos vigentes no governo federal, pelos quais a tem a receber R$ 1,2 bilhão. Segundo a CGU (Controladoria-Geral da União), que publicou ontem o decreto tornando a empresa inidônea (proibida de contratar com órgãos públicos), a […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 18 Feb 2017, 17h33 - Publicado em 14 Jun 2012, 06h08

Por Dimmi Amora, na Folha:
A declaração de inidoneidade da Delta não deverá afetar quase nenhum dos seus cem contratos vigentes no governo federal, pelos quais a tem a receber R$ 1,2 bilhão. Segundo a CGU (Controladoria-Geral da União), que publicou ontem o decreto tornando a empresa inidônea (proibida de contratar com órgãos públicos), a decisão vale por dois anos e, depois disso, ela terá que pedir uma reavaliação. A construtora recorrerá da decisão. Segundo o diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), Jorge Fraxe, a empreiteira, investigada na CPI da Cachoeira, vai continuar em todos os contratos já assinados para obras e manutenção “enquanto mantiver fazendo o serviço”. O Dnit é o maior contratador da empresa, com 99 dos 100 contratos.

Fraxe disse que retirar a Delta de cada um dos contratos causaria prejuízo ao governo porque seria necessário relicitar obra a obra por preços mais altos. O que ameaça a continuidade da construtora nas obras é o que a própria empresa chama de uma “situação financeira insustentável”, causada pelo “bullying empresarial” criado com a suspeita da relação com o esquema do empresário Carlinhos Cachoeira. A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) afirmou “não ser relevante” a inidoneidade para os atuais contratos com a Delta. Os 99 contratos ativos da Delta no Dnit somam R$ 2,5 bilhões, sendo que apenas oito são para novas obras.
(…)

Publicidade