Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Delator acusa líder de Dilma no Senado de ter recebido propina duas vezes; estão na lista Renan, Jader e ex-ministro de Lula

Pois é, pois é… Paulo Roberto Costa já havia incluído o nome do senador Delcídio Amaral (PT-MS) entre os beneficiários do petrolão. O STF mandou arquivar uma investigação contra ele por falta de evidências. A situação do agora líder do governo no Senado voltou a se complicar. Fernando Soares, o Fernando Baiano, delator tido como […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h18 - Publicado em 16 out 2015, 22h44

Pois é, pois é… Paulo Roberto Costa já havia incluído o nome do senador Delcídio Amaral (PT-MS) entre os beneficiários do petrolão. O STF mandou arquivar uma investigação contra ele por falta de evidências. A situação do agora líder do governo no Senado voltou a se complicar.

Fernando Soares, o Fernando Baiano, delator tido como operador principalmente do PMDB, afirmou em depoimento que repassou a Delcídio US$ 1,5 milhão referente à compra da refinaria de Pasadena.

Delcídio também teria sido beneficiário de propina relativa a aluguel de navios-sonda, junto com Renan Calheiros, Jader Barbalho e o ex-ministro Silas Rondeau.

A revelação de parte do conteúdo da delação de Baiano foi feita pelo Jornal Nacional desta sexta. Leiam. Volto em seguida.
*
O delator da Operação Lava Jato Fernando Baiano citou o nome de mais um parlamentar como beneficiário do esquema. O senador Delcídio Amaral, do PT, teria recebido propina quando a Petrobras comprou a refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Em março, o Supremo Tribunal Federal não viu motivos para investigar o senador Delcídio Amaral, do PT do Mato Grosso do Sul, e arquivou o caso em que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa citou Delcídio na delação.

Ele disse que “ouviu dizer”, que Delcídio teria recebido propina quando era diretor de Gás e Energia da Petrobras, de 2000 a 2002. Mas agora o nome de Delcídio Amaral voltou a ser citado, desta vez na delação premiada de Fernando Baiano.

Ele contou que Delcídio recebeu US$ 1 milhão ou US$ 1,5 milhão. Dinheiro desviado do contrato da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O delator disse que o dinheiro foi repassado para pagar a campanha de Delcídio ao governo do Mato Grosso do Sul, em 2006.

A compra da refinaria de Pasadena causou prejuízo de mais de US$ 790 milhões, segundo o Tribunal de Contas da União. Essa é a primeira vez que um delator cita Delcídio como beneficiário de propina no contrato de Pasadena. Delcídio teria indicado Nestor Cerveró para diretoria Internacional da Petrobras, responsável pelo contrato de Pasadena, o que ele nega.

Continua após a publicidade

As revelações estão sendo investigadas por delegados e procuradores. O nome de Delcídio também citado em outro contrato da Petrobras, de navios-sonda. Baiano revelou um acerto envolvendo Delcídio, o presidente do Senado, Renan Calheiros, o senador Jader Barbalho e o ex-ministro Silas Rondeau, os três do PMDB.

E US$ 4 milhões desse contrato da Petrobras seriam desviados para pagá-los. As negociações avançaram e o valor final foi de US$ 6 milhões.

Baiano disse que o operador desses pagamentos foi o lobista Jorge Luz.

O senador Delcídio Amaral disse que considera um absurdo o nome dele ser citado. Que ele conheceu Fernando Soares na década de 1990 e que depois não teve mais contato com ele.

O senador Jader Barbalho disse que não conhece Fernando Soares e que na época da denúncia não era senador. O presidente do Senado, Renan Calheiros, negou as acusações. Também negou que conheça Fernando Soares. Disse ainda que não autorizou ninguém a falar em nome dele em nenhuma circunstância.

Nós não conseguimos contato com o advogado de Jorge Luz, nem com o ex-ministro Silas Rondeau.

Retomo
Dizer o quê? É uma pena, claro!, que, nesses casos, a investigação certamente não vá avançar com tanta celeridade, não é mesmo?

Aliás, o escândalo de Pasadena é um troço que ficou meio solteiro, largado pelo caminho, no meio dessa confusão. É claro que tudo isso tem de ser investigado e que não se trata de decretar a culpa e a condenação dos citados.

Mas resta evidente que parece haver menos interesse da turma quando “governistas governistas” são atingidos pelas delações. A predileção mesmo é pelo “governista oposicionista”.

Continua após a publicidade
Publicidade