Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Delator acusa Aécio de receber R$ 30 mi no exterior; tucano nega

Segundo Benedicto Valadares, dinheiro teria sido pulverizado em várias contas no exterior; senador diz que investigação provará que essas contas não existem

Benedicto Valadares, um dos ex-diretores do grupo Odebrecht, afirma em depoimento gravado pelo Ministério Público Federal, no âmbito da delação premiada, que o agora senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, teria recebido da empreiteira R$ 30 milhões no exterior. Depósitos mensais teriam sido feitos em várias contas, sempre indicadas por Dimas Toledo, que seria o intermediário do então governador de Minas. O acerto teria sido feito em 2008. Uma desses destinatários seria o empresário Alexandre Acciolly, dono da rede de academias Bodytech.

O vídeo segue abaixo.

Segundo o delator, ele e Marcelo Odebrecht estiveram com Aécio no Palácio das Mangabeiras. E afirma: “Ele [Aécio] e Marcelo começaram a discutir uma série de temas importantes, políticos, do país, da economia do país… Conversa dessa natureza, que você tem com qualquer político: conversa republicana, tratando do interesse do país, do crescimento do país etc. E foi isso só, a conversa inteira… Em nenhum momento, se falou de propina, de pagamento, de nada”.

Mais adiante, Valadares diz que, ao fim da conversa, Aécio lhe disse que seria procurado por Dimas. E acrescenta o delator: “Após o encontro, Marcelo me disse no carro que tinha acertado com o governador um valor de R$ 50 milhões (…), R$ 30 milhões por parte da Odebrecht e R$ 20 milhões por parte da Andrade [Gutierrez]. E o que se pediu a ele, em contrapartida, foi exatamente isto: que ele, na condição de governador de um estado importante, na condição de um dos principais expoentes do PMDB [NOTA: ele queria dizer PSDB], na condição — depois a Cemig entrou também como sócia — de defender o interesse da empresa estatal [desse apoio ao projeto]. Valadares não fala em propina.

Em seu depoimento, abaixo, Marcelo Odebrecht também trata do assunto. Fala das contribuições que teriam sido feitas ao PSDB, mas, do mesmo modo, não cita contrapartidas.

“Não aconteceu”
Em nota, a assessoria do senador Aécio Neves afirma:

“Aécio não recebeu trinta milhões em conta no exterior. Também não procede a afirmativa de que pagamentos de propina no exterior teriam sido acertados em reunião entre Aécio e Marcelo Odebrecht e Valadares.

Mesmo os delatores tendo sido unânimes em enfatizar que tais recursos não envolviam nenhum ato ilícito, nem propina nem contrapartida, é importante ressaltar que tais doações nunca ocorreram. Basta dizer que as obras do sistema elétrico mencionadas foram licitadas e conduzidas pelo governo federal do PT, sem nenhuma interferência possível do governo de Minas Gerais.

Não existem as tais contas no exterior mencionadas, o que ficará claro no decorrer das investigações.”

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Graça Simioni

    É..Tio Rei, teremos um longo caminho pela frente até provar que focinho de porco não é tomada .

    Curtir

  2. Graça Simioni

    Um desabafo: porque a Sra Vera Magalhães insiste tanto em não compreender o que está em curso e insistir com estridência no afastamento de ministros que são apenas investigados?
    O que a senhora dirá diante da comprovação de inocência de alguns?
    A condição de investigado não impede a governabilidade, senão Renan não teria sido reeleito como presidente do congresso.

    Curtir

  3. Não entendo a razão de tanta celeuma. O depoente diz que os pagamentos foram feitos em contas no exterior e o acusado diz nunca ter recebido. Basta a justiça apresentar os comprovantes de depósitos que, se forem verdadeiros, o depoente as tem e deve ter anexado no depoimento. Caso isto não se confirme, o depoimento é blefe e deve ser penalizado. Simples assim, o resto é encheção de saco, não dá mais para aguentar estas manchetes mixurucas.

    Curtir

  4. Reinaldo, bom dia. A quem interessa colocar todos os políticos no mesmo rol? O pt saiu do governo federal, mas o pt não saiu das entranhas do Estado brasileiro, o mal continua agindo.

    Curtir

  5. As pessoas devem estar se perguntando: O bandido chega lá na frente dos procuradores abrem a boca e começam a falar e, depois, eles apresentam as provas do fato narrado? Por exemplo, se ele ou a Odebrecht depositou para Aécio lá fora, tem o comprovante do deposito? É o mínimo!

    Curtir

  6. Delações de bandidos desesperados e MPF nem tanto isento assim, é preocupante. Jogar todos na mesma vala comum para muitos parece o óbvio; mas ao se provarem inocentes no curso do inquérito o que será feito para repará-los?

    Curtir

  7. Salvem o Aécio santo

    Curtir