Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Deflagrada hoje nova fase da Operação Acrônimo

A PF constatou supostas discrepâncias nos relatos feitos por Bené, empresário próximo ao governador Pimentel, em seu acordo de delação

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a décima primeira fase da Operação Acrônimo, que investiga, entre outros, o governador de Minas Gerais, o petista Fernando Pimentel. Foram cumpridos 20 mandados judiciais, sendo dez de busca e apreensão e dez de condução coercitiva no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas. Um dos alvos da ação foi o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, amigo pessoal e suposto operador de Pimentel. A PF constatou supostas discrepâncias e omissões nos relatos feitos por Bené em seu acordo de colaboração, que foi fechado com o Ministério Público Federal. A dona da agência Pepper, Daniele Fonteles, que também fechou um acordo de delação na Acrônimo, este com a PF, apresentou detalhes que não constavam dos depoimentos do empresário.
A operação de hoje concentra dois inquéritos policiais: o primeiro relacionado, de acordo com a PF, à “cooptação e pagamento de vantagens indevidas para que empresa de publicidade elaborasse campanhas educativas dos ministérios da Saúde, Cidades e Turismo nos anos de 2011 e 2012″. Já o segundo investiga suposta “fraude em licitação da Universidade Federal de Juiz de Fora pela gráfica de um dos investigados”.
A nova fase da Acrônimo teve como ponto de partida a delação premiada de Daniele Fonteles, da agência Pepper, ligada ao PT e responsável pelas redes sociais da última campanha de Dilma Rousseff. Segundo reportagem da Folha de São Paulo, ela teria afirmado à Polícia Federal que foi contratada pela agência de publicidade Agnelo Pacheco, em contratos nos ministérios da Saúde, Cidades e Turismo, em troca de pagamento de propina a Bené. Em seu depoimento, Danielle declarou que o empresário amigo de Pimentel ofereceu a ela uma campanha denominada “Combate à dengue”, a ser desenvolvida pela Saúde. Para assumir essa campanha, a Pepper seria uma subcontratada da Agnelo Pacheco, que detinha parte da conta geral do ministério. Em troca desse contrato, Danielle pagou cerca de 200 mil reais a Bené. O mesmo esquema, segundo ela, foi empregado em outros dois ministérios que tinham ligação com a Agnelo Pacheco. Bené era sempre o intermediário.
A Agnelo Pacheco é uma das principais agências de publicidade do país, que nos anos 2000 deteve a conta da prefeitura de São Paulo na gestão da prefeita Marta Suplicy, então no PT, e depois prestou serviços ao governo do Rio no mandato de Sérgio Cabral, do PMDB.
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Roberto

    Bene mamando nas tetas das contribuintes.

    Curtir