Clique e assine a partir de 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

De volta ao Samba do Crioulo Doido. Ou: Urucubaca luliana mostra a Gaviões por que não se deve ser pombinha do PT

De volta! Fim do ziriguidum, mas ainda neste clima de carnavalização da política, de samba-do-crioulo-doido em que estão transformando — ou transfugando?, se me permitem o neologismo — a política brasileira. O único pecado abaixo do Equador é pertencer à oposição. Nesse ritmo, ainda acaba “proclamada a escravidão, lá iá lá iá lá ia”… Viram […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 09h29 - Publicado em 22 fev 2012, 16h47

De volta! Fim do ziriguidum, mas ainda neste clima de carnavalização da política, de samba-do-crioulo-doido em que estão transformando — ou transfugando?, se me permitem o neologismo — a política brasileira. O único pecado abaixo do Equador é pertencer à oposição. Nesse ritmo, ainda acaba “proclamada a escravidão, lá iá lá iá lá ia”…

Viram o espetáculo deprimente na apuração do resultado do desfile das escolas em São Paulo? Os partidários da Império da Casa Verde e da Gaviões da Fiel eram os mais exaltados. E o pau quebrou, sendo necessária a intervenção dos Unidos da Lei e da Ordem, mas com a devida moderação, ou os petralhas acusam o governo de São Paulo de “militarizar o Carnaval”… Se as pessoas descontentes não puderem, vamos ser modernos, trollar o processo, onde está a democracia, não é mesmo? Precisamos dar vivas à intervenção direta, ao fim da fantasia, ao fogo na alegoria (isso é uma alegoria)! Chegando em casa, este novo ser político deve se armar com um micro, um celular, um iPad — qualquer um desses instrumentos criados pelo maldito capitalismo para oprimir os excluídos — e trollar também os sites, blogs e páginas pessoais de adversários reais ou supostos. Precisamos de um mundo sem mediação, de ação direta, sem oponentes, como queria Ernst Röhm, antes de ser contido por Hitler, o progressista, lá iá lá iá lá ia…

Vi fotos de Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, e de Marisa Letícia — a Mulher do Homem num carro alegórico da Gaviões da Fiel. Mais alguns anos, e chegaremos, finalmente, ao século 19. A nova aristocracia manda a República às favas, lá iá lá iá lá ia. E se apodera das esferas pública, privada e estatal. Como naquela música do sambista Chico Jabuti, “Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal…” A Gaviões e eu espero que o meu Corinthians um dia se liberte dos “grilhões que nos forjou o ardil astuto da perfídia” , movida pelo mau espírito da sujeição encomiástica, tentou rapinar o Carnaval de São Paulo em ano eleitoral, levando à avenida um samba-enredo ideológico: “Verás que um filho fiel não foge à luta – Lula, o retrato de uma nação”. Nono lugar antes de a bandidagem trollar a apuração. Os trouxas ainda não perceberam que nada viceja à sombra de Lula a não ser o partido; o resto murcha, decai e morre, lá iá lá iá lá ia.

Lula já privatizou o processo democrático brasileiro daí que seu instituto pretenda criar o “Memorial da Democracia”, em terreno que Gilberto Kassab, eleito com votos anti-Lula, pretende doar àquela entidade privada. Já no título da pantomima-enredo, privatizam-se, a um só tempo, um verso do Hino Nacional e a torcida do Corinthians. Os Acadêmicos do Nariz Marrom, que lotam nossas universidades, sempre de joelhos para o petismo, deveriam seguir os passos de seus colegas argentinos rendidos ao Casal Kirchner e iniciar um movimento de revisão da história, de extinção dela talvez. Declare-se 2003 o “Ano Um” do Brasil. Em tempo: as escolas de samba recebem grana do município: R$ 27 milhões só neste ano. Não sei que parcela coube à Gaviões. O fato é que, também nesse particular, há evidente uso de dinheiro público com propósito político-partidário.

Continua após a publicidade

“Ah, Lula já é um figura que pertence à história”. Uma ova! Assim seria se assim fosse. Ele não está em casa cuidando de suas memórias, mas na ativa, organizando os palanques do PT Brasil afora, muito especialmente o de São Paulo. Tanto é assim que foi ele a oficializar a aproximação de Kassab com o PT, iá lá iá lá ia… Não haver uma cláusula no regulamento da Liga das Escolas ou nos critérios de concessão de dinheiro público que impeça a exploração político-eleitoral do desfile corresponde a se expor à rapinagem. E assim foi. E, mais uma vez, a urucubaca luliana recaiu sobre aqueles que se colocaram de joelhos. Não chega a ser uma determinação da natureza, mas é uma constante sem exceção: é assim que se firma uma… urucubaca!

O filme “Lula, O Filho do Brasil”, por exemplo, foi um fiasco. Não obstante, acabou selecionado pelos puxa-sacos para concorrer a uma indicação ao Oscar. Ninguém deu bola. Quem quer que se aproxime para se contaminar com a “sorte” do “Homem” colhe os efeitos contrários. Vejam esta foto:

lula-mubarakO seca-pimenteira participava, na Itália, da Cúpula do G8, em julho de 2009. Ele e Hosni Mubarak, então presidente do Egito, eram convidados de honra. O Apedeuta, com o veneno tropical, charme e picardia que fizeram história, dá de presente ao ditador uma camiseta da Seleção Brasileira. Bem, vocês sabem o que aconteceu com os nossos Canarinhos e conhecem também o destino de Mubarak. Ah, sim: antes de embarcar para a África do Sul, a Seleção fez uma visitinha a Lula, no dia 20 de maio de 2010…

Há outra foto que entra para a história do pé-quente. É esta.

Continua após a publicidade

lula-corinthiansNo dia 1º de Maio de 2010, de passagem por São Paulo para fazer campanha ilegal em favor de Dilma Rousseff, Lula decidiu dar uma passadinha no Corinthians e empenhar seu apoio na disputa pela Libertadores. O Timão enfrentou o Flamengo logo depois e foi desclassificado. Confesso que, desta vez, até me vi tentado a advertir os companheiros da Gaviões — afinal, sou corintiano há mais tempo do que muitos ali: “Não caiam nessa tentação; vão afundar a escola”. Mas deixei que a sina se cumprisse. E não que eu seja bom só para prever o passado. Antes de a Seleção Brasileira visitar O Homem em palácio, fiz aqui a advertência, no dia 25 de maio de 2010. Inútil.

Em 2007, Bebeto de Freitas, presidente do Botafogo, presenteou Lula com uma camisa do clube. Assim.

lula-e-bebeto-de-freitasNa semifinal da Copa do Brasil, num Maracanã lotado, acabou desclassificado pelo Figueirense. “Foi roubo!”, gritará um torcedor. Pois é… Os deuses, quando provocados, deixam cegos os homens (e as mulheres)…

fluminense-lulaOs torcedores do Fluminense jamais vão se esquecer do apoio dado por Lula ao time em 2008, pouco antes da final da Libertadores, contra o modesto LDU do Equador. O tricolor bateu o adversário por 3 a 1 no tempo normal, empatou em zero a zero na prorrogação e naufragou nos pênaltis (3 a 1). Fiel à sua política externa terceiro-mundista, a urucubaca luliana deu ao Equador seu único título na Libertadores.

Essas são apenas algumas das circunstâncias em que Lula aparece trollando a sorte alheia. Há muitas outras lembradas em vários sites e blogs. Ninguém escapou: Guga, Diego Hypólito, até Lenny Kravitz… Que continuem a beijar a mão do Apedeuta. Será sempre bom para o PT — e péssimo para os que se dedicarem à sujeição voluntária. Vamos sair do misticismo para entrar na história.

As primeiras tentativas de assalto às urnas — porque não se trata de disputa dentro das regras do jogo — dos petistas em São Paulo deram com os burros n’água: reação à retomada da Cracolândia, mentira organizada sobre a desocupação da região conhecida como Pinheirinho, privatização político-partidária do Carnaval… Vamos que outras trollagens preparam os companheiros. A única coisa certa é que eles não vão se conformar. E não poderia deixar de fazer um lamento à margem: é lastimável ver o meu time entregue a esse tipo de exploração político-partidária. Espero que uma parte ao menos dos corintianos reaja a essa tentativa de manipulação da torcida.

Continua após a publicidade

Caminhando para o encerramento
Bem, caras e caros, estou de volta, com um pouco de samba no pé, como vêem.

A propósito, cumpre publicar, a título de ilustração, a divertida letra do “Samba do Crioulo Doido”, criação de Stanislaw Ponte Preta, heterônimo no jornalista Sérgio Porto, que ironizava, em 1968, a leitura livre que os carnavalescos faziam — e fazem — da história em seus enredos. A obra virou metáfora, símbolo da confusão e da falta de sentido:

Foi em Diamantina
Onde nasceu JK
Que a Princesa Leopoldina
Arresolveu se casá
Mas Chica da Silva
Tinha outros pretendentes
E obrigou a princesa
A se casar com Tiradentes

Lá iá lá iá lá ia
O bode que deu vou te contar
Lá iá lá iá lá ia
O bode que deu vou te contar

Joaquim José
Que também é
Da Silva Xavier
Queria ser dono do mundo
E se elegeu Pedro II
Das estradas de Minas
Seguiu pra São Paulo
E falou com Anchieta
O vigário dos índios
Aliou-se a Dom Pedro
E acabou com a falseta

Da união deles dois
Ficou resolvida a questão
E foi proclamada a escravidão
E foi proclamada a escravidão
Assim se conta essa história
Que é dos dois a maior glória
Da. Leopoldina virou trem
E D. Pedro é uma estação também

O, ô , ô, ô, ô, ô
O trem tá atrasado ou já passou

Convenham: é mais coerente do que a vida pública brasileira.

Publicidade